Rebelião no complexo penitenciário de Pedrinhas no Maranhão

Com mais de 24 horas de duração a rebelião no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís (MA), iniciada na manhã de ontem (8), já contabiliza nove presidiários mortos por companheiros de cela e um agente penitenciário baleado.

Cinco pessoas são mantidas reféns, todos monitores do complexo, e a Polícia Militar não descarta a possibilidade de haver mais corpos dentro do presídio.

Desde a manhã de hoje (9) policiais especializados em negociações com presos, enviados pelo Ministério da Justiça, estão no presídio. Agentes da Força Nacional de Segurança também estão em São Luís.

O reforço do governo federal foi enviado após a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, ter pedido ao ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, apoio para a condução das negociações em conversa por telefone.

As negociações iniciadas ontem foram interrompidas durante a noite e retomadas nesta manhã. Os presos pediram a presença de um pastor e um juiz. A expectativa é que eles auxiliem nas conversas. Entre as reivindicações dos presos estão melhores condições dentro do presídio e a saída do atual diretor.

A rebelião começou na manhã de ontem quando presos renderam um agente penitenciário e pegaram sua arma. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, afirmou que no complexo de Pedrinhas “há um estado de tensão permanente entre facções de presos” e que “no Maranhão, assim como nos demais estados, a superlotação dos presídios é uma realidade”.

A secretaria diz ainda que esse problema está sendo enfrentado pelo governo do estado com a construção de novas unidades prisionais.

Integrantes da Força Nacional de Segurança Pública se deslocaram para São Luís (MA) na madrugada de hoje (9). O pedido foi feito pela Secretaria de Segurança do Maranhão.

Outros cinco agentes rendidos posteriormente continuam sob poder dos presos. As negociações com os presidiários foram encerradas ontem à noite e retomadas hoje.

Trinta e dois homens da Força Nacional vão auxiliar os policiais locais na contenção da rebelião – 31 são da tropa de choque e um, negociador. As ações que serão tomadas estavam sendo discutidas em conjunto com as autoridades maranhenses na manhã de hoje, em reunião no Gabinete de Crise da Secretaria de Segurança do estado.

As informações são da Agência Brasil

Compartilhe...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Últimos comentários
  1. paulo ronaldo costa(foragido desde 2008)
    Responder -

Comentários

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Current day month ye@r *