Bem-vindo à claridade!

147

Uma das maiores tragédias que poderiam acontecer a uma pessoa aconteceu com uma senhora canadense chamada Rose Crawford. Por quê? Porque viveu na escuridão da cegueira por 50 anos. Viveu cega até o dia em que foi ao médico, e ele fez uma cirurgia num hospital de Ontário, devolvendo-lhe a visão.

Quando o médico retirou as ataduras de seus olhos, Dona Rose começou a chorar. Mais tarde confessou: “Simplesmente eu não conseguia acreditar”. Pela primeira vez em sua vida, via um mundo deslumbrante e belo, cheio de formas e cores. O mais surpreendente em sua história, no entanto, era que 20 anos de sua cegueira foram totalmente desnecessários. Ela não sabia que técnicas cirúrgicas haviam sido desenvolvidas, e que uma operação poderia ter lhe restaurado a visão quando ainda tinha 30 anos. Ou seja, boa parte de sua juventude foi às escuras, sem que precisasse ter sido assim. O médico disse: “Ela simplesmente pensava que nada podia ser feito a respeito do problema. Grande parte da sua vida poderia ter sido diferente” (A partir de Pão Nosso de Cada Dia, vol. II, 54).

Há, neste mundo, muita gente sofrendo de cegueira espiritual, privada da visão do céu e de suas bênçãos, desconhecendo que o problema tem cura. A cura está no Evangelho de Cristo, por meio do qual são abertos os olhos da nossa alma, e saímos “das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe 2.9).

O milagre que Jesus operou no jovem cego de nascença, em Jerusalém, como registrado em João 9, nos mostra como a passagem de Jesus por nós altera, para melhor, as nossas vidas. O rapaz vivia mendigando na cidade, até que Jesus lhe abriu os olhos, olhos que já vieram ao mundo fechados completamente. Se não fora a atuação de Jesus, o futuro daquele jovem teria sido mera repetição do seu passado.

Amigo, aproxime-se de Jesus. Bem-vindo à claridade!

Pr. João Soares da Fonseca – jsfonseca@pibrj.org.br

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui