Correr até o Final

46

Em 20 de outubro de 1968, o maratonista Mamo Wolde, da Etiópia, cruzou a linha de chegada no Estádio Olímpico da Cidade do México. Era o vencedor da maratona.

Mais de uma hora depois, alguns milhares de espectadores continuavam ali, esperando que chegasse o último dos corredores. Embora 74 atletas tenham começado a corrida, apenas 57 cruzaram a linha de chegada. Muitos, exaustos, tiveram que receber os primeiros socorros.

O som de sirenes e apitos de polícia cortaram a noite escura e fria. Uma figura solitária entrou no estádio, a perna enfaixada e sangrando de um ferimento grave durante a maratona.

Contorcendo o rosto de dor, a cada passo ele mancava na pista de 400 metros. Seu nome era John Stephen Akhwari, da Tanzânia, o último homem a terminar a maratona. Os espectadores se levantaram, aplaudindo vibrantemente como se Akhwari fosse o vencedor.

No dia seguinte, Akhwari, respondendo a perguntas de jornalistas esportivos sobre seu feito extraordinário, disse: “Meu país não me enviou de quase 8.000 km para começar a corrida. Ele me enviou de 8.000 km para concluí-la” (David Holwick – Ilustrações 2.0).

A constância dos amigos do paralítico merece os aplausos de toda a torcida cristã. Além de carregar o homem numa cama (Lc 5.18), eles não se limitaram a deixá-lo na rua, mas o levaram até Jesus, à custa de algum sacrifício. A diligência que mostraram foi recompensada. O maior prêmio para eles deve ter sido ver o paralítico se levantando da maca e saindo de pé, pisando firme, agora senhor dos seus movimentos.

Nossa missão como igreja é muito parecida à daqueles homens. Nós também devemos transportar os pecadores a Jesus. É a nossa responsabilidade, é o nosso privilégio. Não podemos curar, mas podemos levar os doentes a Cristo. Não podemos salvar ninguém, porque não temos essa capacidade; ela é exclusiva de Jesus. Mas podemos – e devemos – apresentar Jesus aos pecadores. A obra só é completa quando o pecador for colocado na presença de Jesus. Você está ajudando sua igreja a fazer isso?

Pr. João Soares da Fonseca

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui