Aberto ou abrido? Trago ou trazido?

6627

Volta e meia alguém me pergunta sobre o uso do particípio do verbo abrir: aberto ou abrido?
Essa questão está ligada ao uso do particípio dos verbos. O particípio regular dos verbos termina em -do. Veja: trabalhado, amado, saído, chegado, comprado, etc. Alguns verbos têm essa forma irregular. Veja: visto (de ver); escrito (de escrever); feito (de fazer), etc. Outros, os abundantes, têm duas formas para o particípio: prendido e preso (de prender); fritado e frito (de fritar); limpado e limpo (de limpar), etc. Alguns particípios irregulares caíram em desuso.
Desapareceram ou são, na maioria dos casos, usados como simples adjetivos ou substantivos, como é o caso das palavras: completo, murcho, torto, etc. (adjetivos); cego, crucifixo, etc. (substantivos). A forma ABRIDO caiu em total desuso, sendo errado o seu uso. A única forma correta é ABERTO.
Normalmente, os particípios regulares são usados na voz ativa (com os auxiliares ter ou haver): A cozinheira TINHA (ou havia) FRITADO os ovos. / Os policiais HAVIAM (ou tinham) PRENDIDO os assaltantes.
Os particípios irregulares são, geralmente, empregados na voz passiva (com os auxiliares ser ou estar): O ovo ESTAVA (ou era) FRITO. / Os assaltantes ESTAVAM (ou foram) PRESOS. Com os verbos de ligação, os particípios irregulares costumam ser usados como predicativos.
Deve-se tomar muito cuidado ao usar o verbo TRAZER. Ele não é abundante, tendo somente um particípio: TRAZIDO. Veja: O aluno tinha TRAZIDO o livro. É comum as pessoas usarem TRAGO como particípio desse verbo, o que está totalmente errado. A palavra TRAGO é o presente do indicativo dos verbos trazer ou tragar: Eu TRAGO o livro todos os dias. / O rapaz disse: Eu fumo, mas não TRAGO… Essa palavra também pode ser um substantivo, com o significado de GOLE: Ele ficou tonto com um simples TRAGO daquela bebida.
Há ainda uma outra expressão, ERRADA, que muitas pessoas usam: Meu carro está COMPRO e PAGO. O correto é: Meu carro está COMPRADO e PAGO. O verbo comprar não é abundante. COMPRADO é a única forma correta de seu particípio. O verbo pagar é abundante, possuindo dois particípios: PAGO e PAGADO. Na frase dada como exemplo, a forma PAGO foi usada, pois o auxiliar usado foi o verbo ESTAR. Outro verbo de largo uso é o verbo PEGAR. Também este é abundante, possuindo como particípio as formas PEGADO e PEGO: Ele havia PEGADO uma forte gripe. / O pássaro estava PEGO. Modernamente, há uma tendência para se usar o particípio irregular (pego) também com os verbos ter e haver: Eles haviam (ou tinham) PEGO o passarinho.
Deve-se observar a pronúncia da forma PEGO. Como particípio, sua pronúncia é fechada (ê); como presente do indicativo, é aberta (é). Veja os exemplos: O pássaro estava PEGO (ê). / Eu não PEGO (é) em rabo de foguete… Observe-se, por derradeiro, que não se pode usar pronome oblíquo depois de um verbo no particípio.
Os pronomes oblíquos são: me, te, se, lhe, o, a, nos, vos. Veja os exemplos: Ele havia me entregado o dinheiro ou Ele me havia entregado o dinheiro (certo). Ele havia entregado-me o dinheiro (errado). / Ele tinha me falado sobre o assunto (certo). / Ele tinha faladome sobre o assunto (errado).
O BOM PROFISSIONAL FALA CORRETAMENTE. APERFEIÇOE-SE. PREPARE-SE PARA CONCURSOS. ESTUDE PORTUGUÊS. AS PRÓXIMAS TURMAS COMEÇAM DIA 27 DE JULHO – 3271-7894 e 3083-2211.

48 COMENTÁRIOS

    • Elias, conforme descrito no texto, a forma trago é errada após os verbos ter/haver: Eu tinha trago = errado. Eu tinha trazido = correto.
      Porém ainda é usada no presente do indicativo sem ser acompanhado por verbo auxiliar: Eu trago boas novas = correto.

  1. Nao acho que cair em desuso torne uma palavra incorreta. Pois se assim for, palavras erradas mas muito usadas serao entao corretas?

  2. Emanuel, Cláudia não expressa o preconceito. Expressa, sim, que a educação deve ser uma das prioridades, ainda mais quando se tem oportunidade de tê-la, como foi o caso do Sr. Lula.

  3. Mas como a forma abrido “caiu em total desuso” se muita gente tem dúvida se ele pode ser usado. Acho que é o caso de um verbo abundante, não?

    Eu tinha abrido (ou aberto) a garrafa.
    A porta estava aberta.

  4. Agradeço as dicas, sempre tive dúvidas em comunicaçao e linguagem, principalmente verbos, portugues é complexo…A culpa nao e do LUla , o culpa sao das pessoas ,que tem dificuldade de aprendizado… rsirs… literalmentes… rsirs… sem….

  5. Infelizmente, deparo-me com os mais absurdos erros de gramática e ortografia. Muitos responsabilizam a educação brasileiro. De fato, ela ñ é lá essas cocas, mas, convenhamos, os maiores responsáveis são os próprios analfabetos, pois há inúmeros métodos free de educação onde os alunos podem aprender ao menos o básico. Vez por outro procuro informações pertinentes à minha língua materna. Confesso q estou longe de ser um expert, mas estou perto de me sentir seguro com minhas palavras! :D
    Só p constar, desde a 5ª série, estudo em colégio público, fui aclamado pelo Prouni (100%) e vejo muitos artigos na net.
    Valeu as dicas!

  6. retificando:
    Onde se lê “Vez por outro procuro informações pertinentes à minha língua materna.” passa a ser “Vez por outrA, procuro informações pertinentes à minha língua materna.”

  7. Ah, Cláudia! O povo fala e escreve errado e a culpa é do Lula!??!Vai dizer que o cara que é pobre coloca dez filhos no mundo e os dez passam fome, é culpa do Lula também?!
    1- O posto de saúde dá camisinha!!
    2- Existem cotas, ENEM, e Prouni!!! Nunca a classe pobre entrou tanto na universidade!

    Os presidentes fazem o que podem, o povo que quer mais do que já dão! Já perceberam? Não importa o partido, não importa o político, é sempre tudo culpa do governo…

    • A culpa maior é dos nossos governantes sim.
      Que ao invés de buscarem incentivo para a
      educação investem fortunas em festas, fazendo
      com que nossa juventude tenha amor por: sexo,
      drogas e violência e, consequentemente, repúdio
      a educação.

      Alguém em algum lugar bem disse:
      “O povo reflete a imagem do seu rei”.

  8. Elias, conforme descrito no texto, a forma trago é errada após os verbos ter/haver: Eu tinha trago = errado. Eu tinha trazido = correto.
    Porém ainda é usada no presente do indicativo sem ser acompanhado por verbo auxiliar: Eu trago boas novas = correto.

  9. Obrigada pelas dicas, são excelentes! Hoje fiz uma pergunta e tive de usar a palavra (ABERTO), mesmo assim resolvi pesquisar para esclarecer as dúvidas, o site é realmente muito informativo. Se a nação brasileira lesse mais, não teríamos pessoas arrogantes, com a pensamento vinculado em redes sociais e futebol, o país evoluiria rapidamente, pois uma boa comunicação é fundamental, exclusivamente no mundo contemporâneo.

  10. Afinal, “abrido” está em desuso ou está errado? É errado só por está em desuso? Se não estou enganado no comercial da Caixa com o jogador Raí ele fala “A Caixa tem abrido as portas da casa própria…”.

  11. Ainda considero o Português u.a língua “burra.
    Regras foram feitas para ser seguidas em não simplesmente esquecidas por falta de uso.
    Não consigo pensar em frases como:
    “Tenho certeza de que tinha abrido a porta”
    trocadas por,
    “Tenho certeza de que tinha aberto a porta”

  12. Existe ainda no meu modo de tentar entender como uma palavra que pretensamente caiu em desuso, obrigatoriamente tenha sido “excomungada”, banida e, pronto!
    Entendo que seja uma incongruência, um paradoxo filosófico mesmo, até porque se aprendeu e se aprende ainda hoje, que a língua é “viva” sempre; daí a fonte dos neologismos. Por outro lado, há muitos milhares de vocábulos inúteis, tão em desuso quanto, que jamais serão usados pelos mortais que se comunicam através do Português, que continuam a lotar os dicionários da língua. Talvez seja falta do que fazer, inventar ou criar, da parte dos filólogos, linguístas e mestres-professores; que não têm argumentos técnicos ou lógicos pra banir da nossa
    vida essa ou aquela palavra. Se as pessoas querem usar, falando ou escrevendo, a forma “abrido”, que a usem, que a falem, que a escrevam…sem aceitar que esta seja assassinada, pois, por essa “babaquice” de desuso e ou banimento.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui