Acordo ortográfico – 2

89

dicas_portuguesComo já sabemos, o acordo ortográfico estabelecido entre os países lusófonos já está em vigor no Brasil desde o dia 1º de janeiro. Vamos continuar hoje com a nossa “novela”…
No artigo passado, falamos sobre a inclusão de K, W e Y no alfabeto e também sobre a extinção do trema e a retirada do acento dos ditongos ÉI e ÓI das palavras paroxítonas. Vamos continuar com as modificações na acentuação.
2. Não se usa mais o acento, nas palavras paroxítonas, no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo. Não se esqueça de que ditongo é o encontro de dois fonemas vocálicos na mesma sílaba. Veja os exemplos: baiúca e feiúra.
Coloquei o acento só para explicar. Observe que o u é tônico (forte) e que antes dele vem um ditongo: ai e ei. A queda só acontece com as palavras paroxítonas. Se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem no final (ou seguidos de s), o acento permanece. Exemplos: Piauí, tuiuiú, tuiuiús. Também se estiverem no interior da palavra e não estiverem antecedidos por ditongo, receberão acento: saída, saúde, balaústre.
3. Não use mais acento nas palavras terminadas em êem e ôo ou ôos. Exemplos: crêem, dêem, lêem, vêem. Agora é: creem, deem, leem, veem. Também perderam o acento as palavras voo, enjoo, abençoo, voos, enjoos, etc. Cuidado, pois as formas eles vêm (verbo vir), eles têm (verbo ter) e seus derivados, continuam com acento diferencial: eles intervêm, eles contêm, etc.
4. O acento diferencial ficou restrito às palavras: pôr (verbo), pôde (passado do verbo poder), vêm e têm (verbos ver, ter e seus derivados) e, facultativamente, para diferenciar as palavras FÔRMA e FORMA, em alguns casos, para deixar mais clara a frase: O bolo está na forma que eu queria. Escrita dessa forma, não se sabe se o bolo está na vasilha que eu queria ou se está da maneira como eu queria. Se eu quero dizer que o bolo está na vasilha que eu queria, a palavra deve ser acentuada: fôrma.
Perderam, pois o acento as palavras: côa e côas (verbo coar), pára (verbo parar), pólo (extremidade ou jogo), pêlo e pêlos (substantivo), pélo, pélas (verbo pelar), pêra (fruta), pólo (gavião novo). Veja, nos exemplos, a nova grafia: Ele coa o café toda manhã.
/ A defesa do Flu para qualquer ataque… / Ele foi ao Polo Sul jogar polo e pegar, no ninho, um polo… / Ele pela o pelo do gato…
A forma do verbo parar, PARA, sem acento, pode gerar alguma dúvida no sentido da frase, se o redator estiver desatento:
MARCHA PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. Qual o sentido dessa declaração? A marcha paralisa a cidade de São Paulo ou declara que a marcha se encaminha para São Paulo? Acredito que a falta do acento possa gerar, algumas vezes, dúvida quanto ao sentido da frase. É bom ficar atento.
Havia um tipo de acento que ninguém usava. Os exemplos falam melhor: O professor argúi o aluno. / Os meninos argúem os pais. / Por favor, averigúe se há alguém me esperando. Essas formas verbais não possuem mais acento, ficando assim: argui, arguem, averigue.
É bom lembrar que a pronúncia das palavras, mesmo sem os acentos gráficos, continua a mesma. A REFORMA ATINGIU APENAS A LINGUAGEM ESCRITA.
Outra coisa: Fora essas modificações, as regras de acentuação continuam em vigor.
VOCÊ JÁ PODE SE INSCREVER PARA OS CURSOS DE PORTUGUÊS QUE COMEÇAM EM MARÇO. SÃO QUATRO MESES DE CURSO (50 HORAS / AULA) – 3271-7894 – [email protected]

1 COMENTÁRIO

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui