Uma colher de chá …

41

De que mesmo?

Preciso reconhecer que quando moleque não tinha mesmo

a mínima atenção para ser auxiliar de receitas de bolo ou de qualquer outra coisa. Às vezes o barulho de uma bola quicando no terreno do vizinho fazia mais estragos na minha atenção do que qualquer possibilidade de um bom bolo de chocolate… Aliás sou chocólatra até hoje, mas naquele tempo me chamavam de chocolatista. Pode?

Minha mãe pronta na mesa da cozinha com uma série de ingredientes para fazer a receita eu precisava ler, e entre estupefata e depois irada e incrédula, perguntou por que quando lhe disse que era melhor primeiro colocar a água a ferver para depois iniciar a receita que ia demorar um monte, e embora minha afirmação pudesse parecer uma desculpa para correr atrás da bola do vizinho, não era. Tratava-se sim de uma simples pequena confusão, como tantas outras que já fizera. Nada m ais normal do que colocar primeiro a água a ferver, uma vez que na receita havia indicação de uma colher de chá de açúcar, uma colher de chá disto, uma colher de sopa daquilo. Então ora, era primeiro fazer os chás e sopas daqueles ingredientes. Ou não?  Estava escrito ali na receita e ela me disse que era para ler direitinho todas as instruções, ora!

O tempo passou, os anos correram e eu não poucas vezes a dobrava e convencia nas minhas vontades quando ela me dizia não, e sem colher de chá. Eu a olhava dengoso e com carinho e lhe pedia então, que me desse logo era uma colher de sopa, maior do que a de chá, e estava alcançado o pretendido. Até que em um belo dia, ela me olhou calmamente e com todo carinho me disse… “Hoje não tem colher de nenhum tamanho e nem precisa pensar em concha! Aprenda que nem sempre na sua vida, haverá alguém disposto a lhe dar uma colher de chá!”

E não é que ela tinha razão?

Pensando bem, quantas vezes como eu, nas vidas de vocês não precisaram de uma colher de chá, mas só encontraram quem mandasse que fosse se lixar? Por isso talvez hoje você pense demais quando está a preparar uma nova receita.

Vamos, esqueça a de chá e dê logo a de sopa, vai! Antonio Jorge Rettenmaier, Escritor, Cronista e

Palestrante, membro da AGEI, Associação Gaúcha dos Escritores Independentes. Esta Coluna está em oitenta jornais impressos e eletrônicos do Brasil e Exterior. No YouTube acesse a Fala Sério! com novos  vídeos  através do Canal ajorgefalaserio. Contatos [email protected]

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui