Ministro da Defesa pede que TSE divulgue documentos das Forças Armadas sobre eleições

57
PARTE DO REQUERIMENTO DO MINISTRO DA DEFESA AO TSE. OU ELES VOLTAM PARA AS 4 LINHAS OU FORÇAS ARMADAS TERÁ QUE AGIR.

Porque Alexandre de Moraes não mandou prender ontem o deputado Daniel Silveira, será que foi a visita do general? Hoje pode ser um dia histórico no Brasil.
Todo o povo brasileiro está ciente que tem poder que passou dos limites e sabemos que Bolsonaro não vai recuar e poderemos ter uma intervenção das Forças Armadas para colocar as coisas em seus devidos lugares.
O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, preparou um ofício nesta quinta-feira (5) em que pede ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a divulgação dos documentos das Forças Armadas sobre as eleições.

A documentação foi entregue à Comissão de Transparência das Eleições do TSE, que conta com a participação de um representante das Forças Armadas, e sugere o aperfeiçoamento da segurança e da transparência do processo eleitoral. As discussões do grupo, no entanto, são restritas e não podem ser divulgadas.

No ofício, o general alega que veículos de imprensa, parlamentares e cidadãos vem pedindo o acesso às informações, inclusive via Lei de Acesso à Informação.

Ainda de acordo com o ministro, a Câmara dos Deputados também pediu ao Ministério os documentos por meio de um Requerimento de Informação (RIC) no prazo de 30 dias. O instrumento é usado para viabilizar a fiscalização sobre atos do Poder Executivo.

O ministro-general também registra que pediu uma reunião com o presidente do TSE, ministro Edson Fachin. Segundo ele, houve “impossibilidade de ver concretizada”. Até o momento, o documento não chegou ao TSE, segundo fontes relataram ao jornal das Montanhas.

Nesta semana, o general esteve com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Na ocasião, o ministro Luiz Fux ouviu que as Forças Armadas “estão comprometidas com o processo eleitoral e com a democracia”.

O ministro-general também se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta semana. Eles estiveram juntos em uma reunião, fora da agenda oficial, do Alto Comando do Exército.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui