Descarte correto de medicamentos vencidos evita contaminação do meio ambiente

159

Saiba o que fazer com os remédios que passaram do prazo de validade e entenda os riscos do descarte inadequado

Um hábito comum para inúmeras pessoas é ter uma “farmacinha” em casa para alívio imediato de sintomas leves, como alergias, dores de cabeça e resfriados. Comprimidos, pomadas, xaropes, colírios e sprays são os principais itens que compõem a reserva caseira de medicamentos. Contudo, é fundamental observar a data de validade dos medicamentos, pois, passado esse prazo, eles não só podem deixar de fazer ou diminuir o efeito esperado, como também podem causar problemas de saúde ou efeitos indesejados. Mas, você sabe como fazer o descarte correto desses itens? Será que despejar no lixo comum, na pia ou no vaso sanitário é a melhor maneira?

A farmacêutica da Drogarias Pacheco, Raíssa Ferreira Almeida, enfatiza que não se deve jogar qualquer medicamento no lixo, na pia ou no vaso sanitário. “O ideal é que os produtos fora do prazo de validade sejam entregues em pontos de coletas nas farmácias e nas drogarias, cujo direcionamento será realizado de forma correta e sem possibilidades de danos às pessoas e ao meio ambiente”.

Para fazer o descarte correto, é indicado deixar os medicamentos em sua embalagem primária, ou seja, nas cartelas de comprimidos, cápsulas, tubos de pomadas e cremes ou frascos.

Programa de Logística Reversa

Quando o medicamento é colocado no lixo comum, o produto vai para aterros sanitários e pode contaminar o solo e a água, devido a algumas substâncias tóxicas presentes nos remédios. Sem contar os riscos de quem manipula o lixo, como catadores e garis, que podem ter contato direto com as substâncias em decomposição, colocando a saúde em risco. Já na rede doméstica de esgoto, os sistemas de tratamento não conseguem eliminar os itens tóxicos, os quais podem contaminar a água e o solo, causando diversos riscos aos seres vivos, que vão desde quadros de intoxicação até o desenvolvimento de bactérias multirresistentes.

Assim que recebe os remédios vencidos, o farmacêutico faz a sua armazenagem em uma lixeira exclusiva para esse fim. Itens que ainda estão dentro do prazo de validade, mas que não serão utilizados, também podem ser levados aos pontos de coleta. Um bom exemplo disso é o Programa de Logística Reversa do Grupo DPSP, união das redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo.

O processo consiste no recolhimento do material por uma empresa parceira especializada e a incineração do material. Os resíduos gerados não representam mais riscos à saúde das pessoas e ao meio ambiente. “Ao descartar uma substância potencialmente prejudicial de forma adequada, estamos fazendo o nosso papel e contribuindo para a preservação do ecossistema. Agora você já sabe: nada de jogar remédios vencidos no lixo, na pia ou no vaso sanitário”, completa a farmacêutica.

A companhia disponibiliza as quase 1.400 lojas da rede para a coleta desses itens e, desde o início da ação, já recolheu aproximadamente 5 toneladas de medicamentos vencidos ou em desuso. Além de medicamentos, também são coletadas pilhas, em parceria com empresas gestoras de logística reversa de eletrônicos e baterias.

Sobre o Grupo DPSP

Com a missão de proporcionar qualidade no atendimento, cuidados com a saúde e bem-estar a todos, o Grupo DPSP nasceu em 2011 e conta com as redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo. A companhia é um dos principais players do varejo farmacêutico com aproximadamente 1.400 lojas em 8 estados do Brasil, além do Distrito Federal. Hoje, o Grupo DPSP atende seus clientes em lojas físicas, e-commerce, televendas e aplicativo. As marcas Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo levam em seu DNA uma história de confiança e credibilidade no mercado nacional da saúde, preocupando-se constantemente em oferecer excelência em seus processos e a garantia da satisfação do consumidor.

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui