Diálogo

348

– Aquela nuvem que passa Nunca mais há de voltar…

Esta tua mocidade Muito breve há de murchar.

– há de murchar, eu bem sei, Pois tudo acaba no mundo

Porém, eu hei de deixar Um sulco muito profundo.

Hei de fazer tais proezas Com a minha mocidade

Que quando não existir

Lembrar-me-ão com saudade.

E dirão com voz sentida: “Ah! Quem nos dera outra vez Sentirmos junto de nós Da morena a bela tez.”

E alguém dirá: “Que saudade Daquele olhar que era vinho, Que se apagou para sempre E me deixou tão sozinho!…”

– Menina toma cuidado! Não te enchas de poesia

Senão mais tarde terás Somente a melancolia.

Toma cuidado menina, Não te deixes enganar

E ouve mais este conselho Que esta velha vai te dar:

Quando encontrares alguém Que aches merecedor

Desta tua confiança Dá-lhe então o teu amor.

Mas não perca tua fé Mesmo que venha a falhar. E não te esqueça menina:

Só dele deves gostar!

Sempre

Se estou perto, Estou contigo. Se estou longe, Estou contigo.

No pensamento, na solidão, No sonho, na multidão,

Na comemoração Estou contigo, estás comigo. Porque te amo, estou contigo. Porque me amas, está comigo.

Hoje, amanhã, sempre,

Sê feliz, comigo ou sem mim. O que importa

É que sejas feliz

Hoje, amanhã e sempre.

Por Clícia Siqueira Labrunie

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui