Presidente do Ipea diz que Brasil tem vocação natural para diplomacia e conciliação

262

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, destacou hoje (18) que o Brasil tem uma vocação natural para a diplomacia e o diálogo. Segundo ele, é impossível escapar ao “espírito brasileiro”.“É o brasileiro, o cavaleiro da esperança, o mediador de conflitos, tão bem conduzido pela diplomacia”. Segundo ele, essa vocação se faz mais necessária neste momento de crises e conflitos, principalmente nos países muçulmanos.

Neri disse que a disposição do brasileiro em busca da conciliação é comprovada em estudos. Como exemplo, ele citou pesquisas, feitas em 153 países, sobre o índice de felicidade da população. Nelas, os brasileiros costumam aparecer entre os mais bem colocados, sinalizando um povo receptivo e amigável.

Neri participou do seminário Os Desafios da Política Externa Brasileira em Um Mundo de Transição, na Câmara dos Deputados. Ele reiterou que o momento político internacional, envolvido em conflitos e crises, é de “muitas mudanças”. Para ele, um dos destaques do momento é o surgimento do grupo denominado Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

“Os Brics nos forçam a conhecer grupos e países muito distantes”, disse Neri. “Na troca de conhecimento e políticas sociais, eu acabei visitando todos os países dos Brics. São poucos países que congregam 40% da população do mundo, metade da pobreza mundial está reunida aí.”

Segundo Neri, o Brasil se insere de uma maneira bem diferente no mundo, pois a desigualdade no país tem registrado queda, diferentemente do que ocorre no restante dos Brics. De acordo com ele, a disputa “mais apertada” é com a China.

Neri disse que a grande força do Brasil é “simbólica”. “É o povo admirável e gostável”, disse ele.
“O Brasil é um país interessante sob o ponto de vista internacional, uma espécie de maquete  mundial, porque registra uma boa média internacional, pois a renda média no Brasil aproxima-se do que ocorre no mundo”, ressaltou.

A presidenta da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, Perpétua Almeida (PCdoB-AC), acrescentou que há um interesse cada vez maior entre os brasileiros sobre política externa. Ela lembrou que há dez anos não ocorria um seminário sobre política externa na Casa.

Segundo a deputada, mais de 500 pessoas participam das discussões, além de representantes de 70 embaixadas e mais de 60 instituições de ensino. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e o assessor especial de Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, participaram do seminário.

Agencia Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui