Supervisão do BC segue modelo internacional, diz Vargas

113

Banco-Central-BC-contas-publicas-meta-de-inflacao-politica-monetaria-lgq8e16172626O arcabouço de supervisão do Banco Central segue o modelo suitability, uma tendência internacional implementada a partir da crise financeira internacional de 2008 que consiste em fiscalizar a venda não adequada de produtos aos clientes. A declaração é da chefe do Departamento de Supervisão de Conduta (Decon) do Banco Central, Andreia Vargas.

 “A crise de 2008, sob o ponto de vista da supervisão, determinou o que acontece hoje no mundo em termos de regulação”, afirmou durante o 4º Congresso Internacional de Gestão de Riscos que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) realiza nesta terça-feira, 30 e na quarta-feira, 1º de outubro na capital paulista. De acordo com ela, antes da crise, as instituições financeiras em geral trabalhavam na supervisão prudencial e renegavam ao segundo plano a supervisão de conduta.

 A supervisão prudencial consiste na solidez das entidades supervisionadas e do Sistema Financeiro Nacional (SFN). Já a supervisão de conduta trata das operações negociais da entidade supervisionada. Após a crise, segundo Andreia, as instituições começaram a separar recursos humanos e materiais para integrar os dois tipos de supervisão. No caso do Brasil, ela afirma que o BC e a CVM têm sido ativos na normatização da prevenção de riscos e lavagem de dinheiro em que as instituições estão sujeitas.

 “Assim o BC adotou medida de transparência e aumento da concorrência, criando em 2012 um departamento que trata da supervisão de conduta no âmbito da Diretoria de Fiscalização do banco”, afirmou.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui