Quem é Marina Silva

315

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima (Rio Branco, 8 de fevereiro de 1958) é uma historiadora, professora, psicopedagoga, ambientalista, e política brasileira filiada ao Partido Socialista Brasileiro.

Iniciou sua carreira política em 1984 como vice-coordenadora da Central Única dos Trabalhadores no Acre. No ano seguinte, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores. Foi eleita pela primeira vez a um cargo público nas eleições de 1988, quando foi a vereadora mais votada de Rio Branco. Nas eleições de 1990, foi eleita deputada estadual, novamente com a mais expressiva votação. Nas eleições gerais de 1994, foi eleita senadora, aos 36 anos, tendo sido reeleita no pleito de 2002. Nomeada Ministra do Meio Ambiente no governo de Luiz Inácio Lula da Silva em 1º de janeiro de 2003, ficou no cargo até 13 de maio de 2008.

Foi candidata à Presidência da República em 2010 pelo Partido Verde (PV), obtendo a terceira colocação no primeiro turno, com mais de 19 milhões dos votos válidos (19,33% da porcentagem total).

Sua atuação pela preservação do meio ambiente lhe rendeu reconhecimento internacional, tendo recebido uma série de prêmios internacionais, como o “Champions of the Earth” da Organização das Nações Unidas, por sua luta para proteger a Floresta Amazônica. Pela criação do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia Regional, Marina foi premiada com o The Duke of Edinburgh’s Award da ONG internacional WWF. Um ano mais tarde, recebeu em Oslo, na Noruega, o prêmio Sophie, da Sophie Foundation. Marina foi lembrada pela Fundação Príncipe Albert II de Mônaco e recebeu o Prêmio sobre Mudança Climática, também por causa de sua atuação na área e pelas iniciativas para criar um desenvolvimento sustentável. Em 2013, foi eleita pela Revista Época, uma das 100 personalidades mais influentes do Brasil e foi incluída em uma lista de 10 brasileiros que foram notícias no mundo naquele ano, elaborada pela BBC Brasil. Foi chamada pelo jornal The New York Times de “ícone do movimento ambientalista”.

Para muitas pessoas que não conhece a trajetória de vida de Marina acha que foi surpresa sua meteórica ascensão. Enganam aqueles que pensam que tudo isso foi algo momentâneo, digo que não, sua trajetória foi construída ao longo de muitos anos, ela continua favorita nas eleições presidenciais por conta da imagem que construiu ao longo do tempo, ela já pagou caro por suas convicções coerentes, enfrentou o poder econômico, defendeu a reforma agrária, ficou conhecida no mundo todo por sua posição de preservação das florestas, o desenvolvimento sustentável, participação dos trabalhadores no lucro da empresa, o imposto sobre grandes fortunas e a multiplicação do salário mínimo. Essencialmente porque sempre defendeu os anseios do cidadão comum e aos reclamos da massa desfavorecida que a identifica como alguém igual à maioria. Ainda mais por ter nascida e criada no meio do mato, passado todas as necessidades, de alimentação aos cuidados médicos. Aprendeu a ler e escrever aos dezesseis anos e passado por problemas de saúde, além de ser negra.

Trata-se de um patrimônio para ninguém botar defeito. Faltando 20 dias para as eleições, ela continua favorita, enfrenta adversários terríveis e quase não tem tempo no rádio e TV, e também por sua estrutura humilde comparada ao poderio de seus adversários, Dilma com a máquina governista e não tão diferente a do outro adversário Aécio Neves. Por certo ninguém esperava que Marina pudesse pontuar e fazer tremer as outras candidaturas, já que só podem chegar ao governo um dos dois que passarem para o segundo turno. Historicamente eleições no Brasil, são feitas dirigidas para apenas a polarização do PT e do PSDB. Se concretizar esta será a melhor reforma política, a reforma feita com o voto. FHC, Lula e Dilma, não fizeram a tão necessária reforma política e a cada eleição envergonha o povo brasileiro. O povo está correndo para a terceira via dispensando PSDB e PT que ficaram no poder 20 anos e só desmoralizaram os partidos políticos. Cansado o povo pretende mudar o rumo do país colocando uma nova esperança no Palácio do Planalto.

Fale com a redação [email protected] – (33)3331-8409

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui