Frente fria vinda da Argentina pode provocar chuva no Sul do país

115

Uma frente fria que se formou na Argentina chega hoje (12) à Região Sul trazendo pancadas de chuva e trovoadas isoladas ao Paraná e a Santa Catarina. No Rio Grande do Sul, há possibilidade de chuva forte e queda de granizo em áreas isoladas do oeste e sul.

Segundo o meteorologista Gil Russo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), em Porto Alegre, a chuva será mal distribuída, portanto, pode não amenizar a estiagem. “Ontem (11), choveu muito no norte do estado, mas em muitos municípios registramos temporais nas cidades e nada de chuva nas áreas agrícolas”, disse Gil à Agência Brasil. O último relatório da Defesa Civil mostra 188 municípios em situação de emergência e mais de 1 milhão de pessoas prejudicadas pela longa estiagem.

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), no Rio Grande do Sul e a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo vão divulgar hoje o novo levantamento dos efeitos da estiagem na produção de milho, feijão, soja e arroz do Rio Grande do Sul, conforme dados coletados nos primeiros nove dias de janeiro, bem como seu impacto econômico.

Também nesta quinta-feira, no Paraná, o governador Beto Richa se reúne com lideranças da região sudoeste para propor medidas que reduzam os efeitos da estiagem. A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e a Defesa Civil apresentarão um plano de trabalho para reduzir os problemas sociais e econômicos nas lavouras e áreas urbanas.

De acordo com o serviço de meteorologia do estado (Simepar), as chuvas de dezembro ficaram abaixo de 50% da média esperada para o mês e, desde o começo do ano, não ocorrem precipitações significativas. Segundo o meteorologista Paulo Barbieri, até o fim da estação, devem ocorrer períodos de chuva, mas não o suficiente para normalizar a situação das regiões atingidas pela seca.

Essa frente fria que se aproxima deve trazer chuva forte nos próximos dias, mas no domingo (15) o volume de água se reduz a pancadas isoladas. “A tendência é que as precipitações fiquem abaixo da média até o fim do verão”, informou Barbieri.

A Defesa Civil concluiu um levantamento das áreas que apresentam risco de deslizamentos e enchentes nos sete municípios do litoral paranense. Foram identificados 84 pontos vulneráveis e 65,5 mil pessoas em áreas de risco na região.

Em Santa Catarina, até o momento, 73 municípios decretaram situação de emergência por causa da estiagem que atinge 460 mil pessoas. A estimativa de perdas com a estiagem soma, até o momento, R$ 440 milhões. Segundo o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, é difícil contabilizar os prejuízos, que mudam a cada dia. A confirmação de estimativas mais precisas de perdas só será possível no momento da colheita.

Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui