Povo reclama da situação do cemitério no Distrito do Prata Lajinha/MG

330

cemiterio_prata_lajinhaD. Neuza residente em Vitória ES nascida no Distrito do Prata Lajinha/MG reclamou conosco e sugeriu que fizéssemos uma reportagem sobre a situação em que se encontra o cemitério do distrito. Segundo D. Neuza, que todos os anos visita o túmulo de seu avô, diz ter se mudado ainda bem pequena e que hoje não conhece mais ninguém na comunidade, mas ficou surpresa com o abandono em que se encontra o cemitério.

Nossa reportagem ouviu algumas pessoas da comunidade no dia 2 e na terça-feira, 3, procuramos a presidente da câmara, Alzira Machado e o prefeito Sebastião Moreira para que eles pudessem dar suas versões, à assessoria da presidente não conseguiu localizá-la e Sandra assessora de gabinete do prefeito Sebastião Moreira nos informou que ele estava viajando.

Deixamos na câmara e na prefeitura nosso telefone e endereço para que eles se pronunciem sobre o assunto.

D. Iracema Rodrigues Soares – “Nós queremos é mais respeito com os mortos e mais organização, pois existem pessoas que pensam apenas em seus parentes, já observei isso.

Eles pisam, jogam mato, amontoam sujeira até em cima das sepulturas. Tem que ter respeito aos mortos, aquele lugar é sagrado. Mesmo que alguém não tenha parentes sepultados, devem respeitar os outros. As pessoas não devem pisar em cima das sepulturas é falta de respeito. Porque como nós todos eles já foram vivos, temos que ter esse sentimento. Desde o tempo do Sr. Chiquinho que ele dizia que faltava um cano d’água no cemitério, muitos apoiaram, mas até hoje nada foi feito, tem também a subida que é uma rua de terra bem pequena precisa arrumar aquela subida, todo mundo reclama daquele barro, que precisa ser resolvido.

Todos da comunidade têm que fazer uma reunião, conversar e organizar, quando a gente viaja vemos nas cidades cemitérios bem zelados e ficamos pensando no nosso com essa situação. A subida ali é tão difícil, quando chove vira um lameiro, a falta de água encanada é outro problema no local, tudo isso foi falado, só não foi feito, já foi conversado, mas nunca ninguém se organiza. Penso que o povo deveria fazer um abaixo assinado e levar na prefeitura, porque é a comunidade que está prejudicada. A comunidade tem que levar o problema para que ele tome conhecimento, temos que reunir, já que, justamente agora, estamos sem vereador, necessitamos da presença do prefeito na comunidade.”

Veja mais na página 6 do Jornal das Montanhas edição 72

3 COMENTÁRIOS

  1. e lamentavel,ver um campo santo nessa situaçao ,nasci ai na prata meu avo e minha avO foram enterrados ai da muita tristeza ver o ceminterio nessa situaçao. atualmente moro em tambau aq em sao paulo fico triste saber em q estado esta o ceminterio dai, se esta melhor agora me enviemum email

    • Olá Sidinei!!!realmente é lamentável ver o cemitério da prata nesse estada + fazer o que se reclamar não adianta nada…Morrei ai grande parte da minha vida e sempre foi assim, infelizmente.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui