Fatos básicos sobre a guerra em Artsakh (Nagorno-Karabakh) – (19/10/2020)

104

 

Turquia e Azerbaijão

  • Vários dias antes do ataque, o presidente do Azerbaijão fez afirmações maximalistas publicamente de que “Karabakh é o Azerbaijão”, “as negociações são virtualmente inexistentes”, “iremos por todos os meios retornar às nossas terras” expressando abertamente sua intenção de resolver o conflito pela força e não pelo processo político. A liderança do Azerbaijão tem afirmado que “o direito internacional não funciona no mundo de hoje, e os tratados internacionais são apenas um pedaço de papel, sem valor”.
  • Antes da agressão, o presidente Erdogan afirmou que a Turquia cumprirá a missão que seus avós realizaram no Cáucaso. Além disso, em várias ocasiões ele se referiu aos armênios “sobras da espada”, que é um insulto comumente usado na Turquia, que muitas vezes se refere aos sobreviventes dos massacres cristãos que visavam, principalmente, a armênios, siríacos e gregos no Império Otomano e seu sucessor, a Turquia. Essas foram uma ameaça aberta e explícita à continuação do Genocídio Armênio.
  • A Turquia não esconde seu envolvimento. A declaração do Ministério das Relações Exteriores da Turquia afirma que “a Turquia continuará a apoiar o irmão Azerbaijão no solo e à mesa”.
  • Portanto, a agressão foi meticulosamente planejada previamente e coordenada de perto entre o Azerbaijão e a Turquia. Esses dois países há muito se proclamam uma nação com dois estados. Ao coordenar o ataque conjunto, eles não levantaram qualquer dúvida a esse respeito.
  • A Turquia apoia militar e politicamente a agressão do Azerbaijão contra o Nagorno-Karabakh. Os jornalistas do New York Times identificaram caças F-16 turcos em uma imagem de satélite do Azerbaijão. Houve numerosos relatórios independentes e verificados de que as forças aéreas turcas coordenam ataques aéreos contra Nagorno-Karabakh. O jato militar turco abateu um avião armênio no território da República da Armênia.
  • O monitoramento da mídia de massa e especialmente das redes sociais revelou ódio e incitação ao ódio e apelos à violência, incluindo apelos à morte, propagados a partir de fontes turcas e azerbaijanas. Os materiais mencionados são disseminados por meio das redes sociais.

Ações militares do Azerbaijão

  • Em 27 de setembro, o Azerbaijão lançou uma agressão militar em larga escala contra Nagorno-Karabakh, onde 150.000 armênios vivem. O Azerbaijão violou o cessar-fogo entre Nagorno-Karabakh, Armênia e Azerbaijão assinado em 1994. O cessar-fogo pôs fim à guerra de 1991-1994 e abriu caminho para negociações sobre o status de Nagorno-Karabakh.
  • De acordo com a BBC, dias antes da agressão, o Azerbaijão começou a convocar reservistas e confiscar caminhões civis para necessidades militares. Por vários meses, o Azerbaijão conduziu exercícios militares em conjunto com a Turquia.
  • O Azerbaijão almeja deliberadamente os jornalistas na zona de conflito. Vários jornalistas franceses (Le Monde) e russos ficaram gravemente feridos. Jornalistas alemães (Bild) e britânicos (BBC) relataram a situação sob o constante bombardeio do Azerbaijão contra as cidades armênias. Desde a agressão, o Azerbaijão proibiu o acesso ao país de qualquer jornalista estrangeiro, exceto da mídia controlada pelo governo turco. Este último foi incorporado às tropas e relatado da linha de frente desde o início da ofensiva, o que é outra evidência de que a agressão foi pré-planejada com a participação ativa do oficial de Ancara.
  • O Azerbaijão usa amplamente combatentes terroristas estrangeiros que foram recrutados e transferidos pela Turquia do território da Síria sob seu controle. Esses terroristas são conhecidos por seus atos genocidas cometidos contra a população pacífica da Síria. Seu uso mais uma vez demonstra a intenção genocida das autoridades do Azerbaijão. O uso de terroristas jihadistas contra Nagorno-Karabakh foi confirmado pelo presidente da França, pelas declarações públicas do presidente russo, pelos serviços de segurança russo e americano, pelo Departamento de Defesa dos EUA e outras fontes confiáveis.
  • As forças armadas do Azerbaijão atacaram mais de 130 assentamentos civis, incluindo os densamente povoados (capital Stepanakert, cidades de Shushi, Hadrut, Martuni, Martakert, Askeran, Karvajar e Berdzor e muitas aldeias), com ataques aéreos, artilharia, foguetes e tanques, a maioria dos quais foram direcionados ou indiscriminados, matando e ferindo civis.
  • Há informações claras de que um certo número de militares da República de Artsakh ou seus corpos estão sob o controle das forças armadas do Azerbaijão. Representantes da mídia do Azerbaijão já espalharam alguns vídeos e fotos mostrando alguns possíveis crimes contra combatentes do Artsakh. Os militares Artsakh e/ou seus corpos podem ser amplamente abusados ​​pelas forças armadas do Azerbaijão novamente.
  • O Azerbaijão sempre foi um notório violador da liberdade de expressão (índice mundial de liberdade de imprensa do Azerbaijão – 168, Turquia – 154, Armênia – 61). Desde o primeiro dia da agressão, o Azerbaijão proibiu o trabalho de todas as mídias sociais em seu território; a Armênia, por outro lado, está entre os dez principais países do mundo com liberdade total na rede, de acordo com a Freedom House.
  • O Azerbaijão detecta intensamente as informações da zona de conflito e, na ausência da mídia internacional e do noticiário gratuito local, dissemina propaganda exageradamente zelosa, desinformação e acusações infundadas.
  • O território da República da Armênia foi atacado várias vezes durante a guerra em muitas instâncias a centenas de quilômetros de distância da linha de contato. Drones militares foram abatidos na província de Kotayk, única região da República da Armênia que não faz fronteira com nenhum dos países vizinhos. Esses ataques causaram vítimas entre a população civil e destruição de infraestrutura crítica.
  • As Forças Armadas do Azerbaijão violaram grosseiramente mais uma vez o segundo cessar-fogo humanitário: abriram fogo de artilharia e pequenas armas das 00h04 às 02h45 na direção norte e lançaram ataques com mísseis das 00h20 às 02h45 na direção sul. Às 07h20, após um fogo de artilharia ativo, as Forças Armadas do Azerbaijão lançaram um ataque na direção sul (Reservatório Khudaferin) a fim de ocupar posições favoráveis. Existem vítimas e feridos de ambos os lados.

Vítimas em Artsakh

  • A população civil e a infraestrutura, cidades e vilas pacíficas de Nagorno-Karabakh estão sob bombardeio constante. Até 18 de outubro, 36 civis foram mortos e 115 feridos.
  • A Anistia Internacional confirmou que as áreas residenciais de Nagorno-Karabakh foram bombardeadas por munições cluster, que são proibidas pelo direito internacional humanitário. De acordo com o Defensor dos Direitos Humanos de Artsakh, danos materiais foram causados a mais de 7.800 objetos civis.
  • A Catedral do Santo Salvador de Shushi foi atacada duas vezes pelo Azerbaijão, causando danos substanciais a este local sagrado religioso. Os repórteres da zona de guerra chamam essa sequência de ataques de “toque duplo”, com um segundo toque para matar os jornalistas que registram os danos e os trabalhadores humanitários que evacuam os mortos e ajudam a salvar as vidas dos feridos. “Pedras da cruz” armênias e outros monumentos culturais foram destruídos pelo fogo do Azerbaijão em diferentes partes de Artsakh.

Vítimas na Armênia

1 civil foi morto e 3 civis feridos (incluindo 1 criança) como resultado do ataque deliberado à população civil no território soberano da Armênia. 8 casas de civis foram danificadas e 6 queimadas.

Armênia e Nagorno-Karabakh

  • Armênia e Nagorno-Karabakh não tinham nenhum motivo para iniciar a guerra e nenhum objetivo político militar a ser alcançado. Eles sempre defenderam a solução negociada do conflito.
  • O Exército de Defesa de Nagorno-Karabakh luta contra as mesmas organizações terroristas jihadistas que cometeram atos terroristas hediondos contra uma população pacífica em todo o mundo.
  • Armênia e Nagorno-Karabakh apoiaram os apelos dos países mediadores, os copresidentes do Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE – França, Federação Russa e Estados Unidos – e a comunidade internacional para negociações). O Azerbaijão e a Turquia, em contraste, fizeram declarações maximalistas de que as negociações só são possíveis depois de “mudarem o status quo no terreno” e conquistarem Nagorno-Karabakh.
  • Armênia e Nagorno-Karabakh apoiaram o cessar-fogo humanitário intermediado pela Federação Russa, em Moscou, em 10 de outubro. O Azerbaijão violou o cessar-fogo minutos depois de entrar na força.
  • Armênia e Nagorno-Karabakh apoiaram a trégua humanitária acordada em 17 de outubro, que deveria entrar em vigor à meia-noite de 18 de outubro. As forças armadas do Azerbaijão, mais uma vez, violaram grosseiramente a nova trégua humanitária, e desde a madrugada de 18 de outubro (07h20) há agressão contínua em grande escala contra Artsakh.
  • O povo de Nagorno-Karabakh enfrenta uma ameaça existencial da intenção genocida do Azerbaijão e da Turquia.
  • Não há outro remédio para o povo de Nagorno Karabakh a não ser reconhecer internacionalmente sua independência como garantia definitiva de sua segurança.
Fonte Assessoria de Comunicação
www.fonte.com.br

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui