Será que é isso mesmo que deseja Biden?

29

Por Devair G. Oliveira
EUA – A notícia do jornal Infobae de hoje 13/09/2021, diz que Biden vai liderar uma cúpula de países do Indo-Pacífico para fortalecer a aliança contra a China.

O presidente dos Estados Unidos se reunirá novamente no dia 24 de setembro com seus homólogos da Austrália, Índia e Japão, com os quais mantém aliança para conter o poder do gigante asiático.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, sediará no dia 24 de setembro uma cúpula com os líderes da Austrália, Índia e Japão, com os quais mantém aliança para conter o poder da China .

A porta-voz da Casa Branca Jen Psaki disse em um comunicado que Biden receberá o primeiro-ministro australiano Scott Morrison pessoalmente na Casa Branca; da Índia, Narendra Modi; e do Japão, Yoshihide Suga.

Interessante que as ações de Biden só ajudou até agora a China, há muitos analistas internacionais que critica o presidente dos Estados Unidos por tudo que está fazendo beneficiando a China, segundo alguns analistas como professor Bellei, Biden parece que foi uma aposta da China, pois com ele no poder o EUA parece bem menos que antes.

 Os quatro países formam o “quad”, aliança criada em 2007 em resposta ao boom militar de Pequim.

O encontro terá como objetivo aprofundar os laços entre essas nações e aprofundar a cooperação em áreas como o combate ao COVID-19 e a crise climática, tecnologias emergentes e ciberespaço, além de promover uma região Indo-Pacífico “livre e aberta”.

Nota.
Joe Biden vai patrocinar uma cúpula com os líderes da Austrália, Índia e Japão no dia 24 de setembro, como aconteceu virtualmente em março. 

Psaki indicou que o Governo Biden fez desta aliança “uma prioridade”, como se pôde constatar na primeira cúpula virtual do grupo em março passado e com a organização desta nova reunião.

“Al recibir a los líderes del ‘quad’ se demuestra la prioridad de la Administración de Biden y (de Kamala) Harris de colaborar con el Indopacífico, lo que incluye nuevas configuraciones multilaterales para responder a los retos del siglo XXI”, dijo la portavoz estadunidense.

A celebração desta cúpula presencial foi acertada na reunião virtual do “quad” em março passado, onde Biden buscou estreitar as relações com os líderes da Índia , Japão e Austrália dentro de seu plano de “vencer a competição estratégica global” contra a China e recuperar terreno na diplomacia da vacina COVID-19.

Quando se encontraram virtualmente em março, a primeira reunião deste novo grupo de nações, nenhum deles mencionou a China em seu comunicado conjunto, mas todos concordaram em colaborar para “enfrentar os desafios da ordem marítima baseada em regras na China. e os mares da China Meridional ”, onde existem vários territórios em disputa, explicou a Casa Branca.

 Os quatro países formam o “quad”, aliança criada em 2007 em resposta ao boom militar de Pequim.

“Nossa intenção é prevalecer na competição com a China”, disse o assessor de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, em uma entrevista coletiva após a cúpula na época.

Sullivan disse na ocasião que a China não foi o principal assunto da reunião virtual, mas reconheceu que todos os participantes compartilham preocupações sobre a ascensão de Pequim e querem garantir “liberdade de navegação” no Pacífico.

Ele ressaltou, no entanto, que o “quad” não é “uma aliança militar” ou “uma nova OTAN”, como tem sido boato, mas sim uma tentativa dos Estados Unidos de reforçar os laços com alguns de seus aliados mais poderosos com acesso a os oceanos Pacífico e Índico .

O governo do ex-presidente Donald Trump começou a usar o termo “Indo-Pacífico” há alguns anos para dar à Índia um papel maior em seus planos para conter o boom militar e econômico da China, e Biden mostrou na sexta-feira que planeja continuar com essa estratégia.

“O ‘quadriciclo’ será vital para nossa cooperação no Indo-Pacífico”, disse o presidente dos Estados Unidos.

(Com informações da EFE)

Continuar lendo:

Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia realizaram a primeira reunião do grupo Quad, que busca conter a influência da China.

A conversa dupla sobre Huawei e 5G que esconde as reais ambições do regime de Xi Jinping

A China realizou um novo exercício militar perto de Taiwan após a chegada de um avião do Exército dos EUA à ilha.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui