Proibição na China, Bitcoin e criptomoedas em forte queda

262

Criptomoedas significa liberdade e descentralização da economia

China vai criar sua própria criptomoedas e emite comunicado por instituições nacionais chinesas reiterando a proibição do Bitcoin e de demais criptoativos por parte de instituições financeiras, o Bitcoin e o mercado de criptomoedas amanheceu com quedas que levaram os preços para patamares de janeiro.

A Associação Financeira da Internet, a Associação dos Bancos e a Associação de Pagamentos e Compensação da China emitiram comunicado reiterando a proibição da utilização de Bitcoin e demais criptomoedas por parte de instituições financeiras locais.

Confira:

“Recentemente, os preços das moedas virtuais dispararam e despencaram, e a especulação com o comércio de moedas virtuais se recuperou, o que prejudicou seriamente a segurança da propriedade das pessoas e perturbou a ordem econômica e financeira normal.”

O comunicado explicita a proibição do uso de criptoativos, dentre outras coisas, como forma de pagamento e unidade de conta e afirma que “instituições relevantes não devem conduzir negócios relacionados com moedas virtuais”.

“Moeda virtual é uma mercadoria virtual específica que não é emitida pela autoridade monetária, não tem propriedades monetárias como compensação legal e compulsão, não é uma moeda real e não deve e não pode ser usada como moeda no mercado. “

O governo chines não reiterou a proibição da posse dos criptoativos por indivíduos, e afirmou que “consumidores devem melhorar sua conscientização sobre a prevenção de riscos e tomar cuidado com a perda de propriedade e direitos.”

A China e o Bitcoin

O Partido Comunista Chines (PCC) vem de muitos anos travando uma batalha direta contra as liberdades individuais de seus cidadãos, restringindo o acesso de tecnologias disruptivas e descentralizadas, como a internet e as criptomoedas.

As punições não irão resolver, os transgressores das ordens do governo mesmo que sejam proibitivas, a utilização de VPNs e técnicas para se garantir o anonimato e privacidade em meio a um estado de vigilância totalitário nunca deixam de ser utilizados em massa no país.

Com a criação do Yuan Digital, uma CBDC (uma moeda digital emitida por um banco central), os incentivos para a restrição do uso de criptomoedas no país certamente cresceram.

A economia centralizada chegou a um ponto que não há saída e  e tentam de todos os modos continuar com um modelo que não dá mais, agora é a vez da economia descentralizada e à medida que os governos e estados nacionais tentam restringir a revolução do Bitcoin, das criptomoedas e das tecnologias descentralizadas, o cerco para a criação de estados totalitários se aperta em todo mundo, puxado pelo poder, dinheiro e influência da ditadura chinesa.

Tudo isso leva a liberdade e é natural imaginar que as instituições centralizadas lutarão para defender o seu poder soberano e absolutista de emitir a moeda vigente. Se tais medidas chegarão ao ocidente, saberemos nos próximos anos quando as CBDCs estiverem em circulação.

 

 

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui