25 mortos durante operação do Bope na Vila Cruzeiro, zona norte do Rio

47
Polícia levou baleados para Hospital Getúlio Vargas, na Penha

Ao todo, 28 pessoas deram entrada em hospital, e 23 morreram na unidade; Gabrielle Ferreira foi baleada e morreu em casa.

Em nota, a direção do Hospital Estadual Getúlio Vargas informou que quatro pacientes seguem internados, dois deles em estado grave e dois estáveis. Ao todo, 28 pessoas foram encaminhadas ao hospital, e 23 morreram até o fechamento desta matéria.

Na lista, não consta o nome da moradora Gabrielle Ferreira da Cunha, de 41 anos. Gabrielle foi baleada em casa e morreu no local. Outro morto seria um menor de idade que chegou sem vida na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Alemão, segundo a SMS (Secretaria Municipal de Saúde).

Ao menos 15 dos mortos foram identificados pela polícia. De acordo com informações iniciais, 12 homens são considerados suspeitos, incluindo um dos chefes do tráfico do Pará, conhecido como Pezão.

A operação na Vila Cruzeiro tinha como objetivo prender chefes de uma das maiores facções criminosas do Rio, entre eles lideranças que atuam em outros estados.

Segundo o comandante do Bope, tenente-coronel Uirá Ferreira, houve dificuldade para a força-tarefa de mais de 80 homens entrar na comunidade, devido à presença de muitas barricadas e à forte resistência dos traficantes. “Os criminosos se prepararam para essa ação”, disse.

Na ação, os policiais apreenderam 13 fuzis, 4 pistolas e 12 objetos explosivos. No local conhecido como Vacaria, os agentes encontraram mais de 20 veículos que seriam usados na fuga dos criminosos.

A SME (Secretaria Municipal de Educação) informou que 13 unidades escolares da região da Vila Cruzeiro estão fechadas. O policiamento pelas ruas do bairro foi reforçado na manhã desta quarta-feira (25).

A presidente da comissão de direitos humanos na Alerj, a vereadora Teresa Bergher (Cidadania), vai pedir uma audiência com o secretário da Polícia Militar, Luiz Henrique Marinho Pires, para questionar a eficácia das operações policiais em comunidades.

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui