Decisão reforça tese de “montagem de cena fraudulenta

171
Advogado Andrei Schmidt
Banqueiro Daniel Dantas

Decisão reforça tese de “montagem de cena fraudulenta de cenário de corrupção” na Satiagraha, diz defesa de Dantas

O advogado do banqueiro Daniel Dantas, Andrei Schmidt, afirmou hoje (7) que a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de anular a Operação Satiagraha corrobora tudo o que a defesa vinha sustentando até hoje. “Na realidade a decisão do STJ não trata sobre uma mera nulidade [da operação]. Ela reforça a tese de que houve montagem de cena fraudulenta de cenário de corrupção. Foi um crime contra o Daniel Dantas”, disse o advogado.

Ainda caberia recurso contra a decisão, mas isso poderia agravar o conflito de posições entre diferentes unidades do Ministério Público Federal (MPF). No parecer relativo ao habeas corpus julgado hoje, o subprocurador-geral da República Eduardo Antônio Dantas Nobre foi favorável à anulação da ação penal. Ele entendeu que a atuação de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) nas investigações foi ilegal.

O parecer foi contrário ao que o Ministério Público vinha defendendo até então, uma vez que o órgão, em São Paulo, foi o responsável pela denúncia dos envolvidos na operação. “O Ministério Público não se vincula ao parecer dado neste caso e poderia entrar com recurso. Mas seria estranho o próprio Ministério Público se contradizer”, afirmou Schimidt. Ele também disse que é muito difícil que o Supremo Tribunal Federal reforme decisão do STJ em habeas corpus.

A defesa do banqueiro entrou com habeas corpus contestando a participação da Abin ainda em 2008, na Justiça Federal em São Paulo. O objetivo era tornar nulo “tudo o que tenha resultado das investigações chefiadas pelo delegado Protógenes Queiroz, com aquiescência dos procuradores da República Rodrigo de Grandis e Anamara Osório Silva”. O pedido foi negado por unanimidade no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em 2009, e o recurso foi para o STJ.

Após quatro anos de investigações, a Operação Satiagraha da Polícia Federal foi deflagrada em 2008, resultando na prisão preventiva de banqueiros, diretores de instituições financeiras e investidores. Entre eles estava Daniel Dantas, que conseguiu habeas corpus para responder ao processo em liberdade. O objetivo da operação era desbaratar o desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro.

Além de Dantas, o episódio teve outros personagens importantes, como o juiz Fausto De Sanctis, que conduziu a operação judicialmente, e o delegado Protógenes Queiroz, responsável pela operação. Ambos foram questionados na Justiça pela atuação no caso. No ano passado, o hoje deputado federal Protógenes foi condenado a três anos e quatro meses de prisão por abuso de poder e fraude processual na condução da Satiagraha. Hoje, De Sanctis foi absolvido no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) das acusações de ter se insubordinado perante o Supremo Tribunal Federal ao mandar prender Daniel Dantas pela segunda vez em 2008.

 

Agência Brasil

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui