Morte de Eliza Samudio pode ser considerada crime hediondo

267

Através do depoimento do adolescente encontrado na cãs do goleiro Bruno, a polícia conseguiu sua primeira e até o momento oficial versão do desaparecimento da modelo.

Em seu depoimento, o jovem afirmou não ter recebido nada para participar do crime e que sua função era a de ajudar Macarrão a levar Eliza e o filho para o sítio de Bruno em Esmeraldas (MG). Ele teria viajado escondido na parte de trás do carro até que em determinado momento pulou para o banco da frente para ameaçar Eliza qual a arma da qual fazia uso.  Afirma também que no meio de uma discussão havia dado três coronhadas na cabeça dela, o que poderia ter ocasionado o sangue encontrado no carro de Bruno. Chegaram ao sítio e passaram a noite lá, Macarrão num quarto, o jovem em outro e Eliza e o filho num terceiro quarto. Eliza teria chegado a receber um telefonema de uma amiga, mas foi obrigada por Macarrão a dizer que estava tudo certo, que ganharia um apartamento em BH e dinheiro. No dia seguinte, Bruno foi ao sítio e ao constatar que Eliza estava assistindo TV, perguntou o que estava acontecendo e disse que queria que o caso fosse resolvido. É aí que começa a barbárie. Macarrão então leva Eliza até um homem chamada Neném que a esquarteja, joga os pedaços para que cães comam e concreta os ossos.

O adolescente afirmou que Dayane Fernandes, mulher de Bruno, não teria culpa no crime e não sabia de nada. Ele acredita que Macarrão tenha contado o que foi feito com Eliza a Bruno.

1 COMENTÁRIO

  1. De acordo com as declarações do menino fica caracterizado que Bruno tem sim participação no assassinato de Eliza Samudio, que foi morta de uma maneira repgnante e por um motivo torpe o que nos leva a entender que o goleiro deve sim ser enquadrado no rol de crimes hediondos e pagar com a maior pena possível que uma autoridade judicial possa dar nestes casos. Rejeitar um filho, que pode ser legítimo, é como rejeitar que seu nome seje conservado sobre a terra. A criança não merece o “pai” que tem. Outro fato é que quase toda mãe sabe quem realmente é o pai de seu filho,independente se a mesma for “mulher da vida”, como alguns jornalistas que querem defender o goleiro estão dizendo. O que importa não é o que a mulher era ou deixava de ser e sim o fato dela ser uma “alma vivente” que não merece ter sua vida finalizada por outra pessoa que não Deus.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui