Secretário do ES se diz preocupado com número de presos

238
Brasília - O secretário de Governo do Espírito Santo, José Eduardo Azevedo, fala durante reunião do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana que discutiu relatório sobre o sistema carcerário do estado. Ao lado, o secretário estadual de Segurança, Rodney Rocha Miranda Foto: Renato Araújo/ABr
Brasília - O secretário de Governo do Espírito Santo, José Eduardo Azevedo, fala durante reunião do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana que discutiu relatório sobre o sistema carcerário do estado. Ao lado, o secretário estadual de Segurança, Rodney Rocha Miranda Foto: Renato Araújo/ABr

Brasília – As autoridades de Justiça e de Segurança do Espírito Santo se dizem preocupadas com o crescimento do número de presos no estado. De acordo com o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Rodney Rocha Miranda, o número de presos em seis anos passou de 3,8 mil para mais de 11 mil pessoas.

A expectativa é de que a situação piore na alta temporada de verão, quando o número de pessoas nas cidades praianas chega a dobrar. Segundo Miranda, nesse período é comum aumentar o número de prisões efetuadas. “Nós vamos ter um colapso no final do ano”, alertou durante a reunião do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), ocorrida nesta tarde em Brasília.

O secretário se queixou da atuação do Poder Judiciário. Segundo ele, o estado é o que mais gasta recursos próprios com a construção de presídios e a polícia tem atuado com mais eficiência, mas todo esse esforço “não teve contrapartida do Judiciário”, disse. “O gargalo está no Judiciário”, insistiu.

Ele reclama da manutenção de presos provisórios e com direito ao regime semiaberto sem julgamento. O secretário acredita que a manutenção desses presos lota os presídios e inviabiliza vagas para novos presos. “Eu estou com 80 presos no corredor que não tenho para onde mandar”, declarou, afirmando que essas pessoas são mantidas sentadas em delegacias.

Rodney Miranda – junto com o secretário de governo, José Eduardo Faria de Azevedo, o secretário de Justiça, Ângelo Roncalli, e o procurador do estado em Brasília, Efrim José Ribeiro Santos – esteve presente na reunião na qual foi apresentado o relatório da comissão especial do CDDPH sobre as unidades prisionais do Espírito Santo

Ninguém da comitiva capixaba negou o teor do relatório. Entretanto, os representantes do governo do Espírito Santo reclamaram de alguns pontos: nem todos os documentos sobre a situação dos presos foram levantados e o governo estadual não foi ouvido. “Nós temos intolerância total com desmandos nas áreas de direitos humanos. O relatório representa uma parte da história. Queremos a oportunidade de mostrar o contexto”, reclamou o secretário José Eduardo Azevedo.

Ângelo Roncalli admitiu que os novos presídios estão sendo construídos sem licitação, mas afirmou que a emergência justifica a não realização desses procedimentos. “É uma questão de prioridade absoluta”, disse. Roncalli ainda criticou a demora e a dificuldade de executar os convênios firmados com o Ministério da Justiça para a construção de novas detenções.

De acordo com o ministro Paulo Vannuchi, secretário especial de Direitos Humanos e presidente do CDDPH, o relatório só será finalizado na próxima reunião do conselho, provavelmente no dia 9 de dezembro, depois de o documento ser encaminhamento ao governo do Espírito Santo. Vannuchi, no entanto, salientou que a situação dos presídios brasileiros é pior que na época do regime militar, quando foi preso político por cinco anos. “No tempo da ditadura nós tínhamos presídios melhores”, comparou.

Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui