ES deve garantir vida de adolescentes privados de liberdade

229
tupinambas
Os Tupinambás e o Espírito Santo - Em 1587, Gabriel Soares de Sousa, escreveu o Tratado Descritivo do Brasil e relatou sobre o tratamento que os terríveis e selvagens Tupinambás dispensavam aos seus prisioneiros de guerra antes de comê-los:

Da redação do JM1
O Espírito Santo continua com problemas nas prisões do estado, veja algumas notícias que já publicamos: cadeia com capacidade para 35 detentos, o local abriga 140. Alguns deles vivem nos corredores e, segundo relataram, se vêem obrigados a fazerem as necessidades fisiológicas nos pratos das marmitas. A grande maioria está presa por furto simples e receptação.

Após receber denúncias graves sobre a precariedade no funcionamento da Unidade de Internação Sócio-educativa (Unis) de Cariacica, no Espírito Santo, a Organização dos Estados Americanos (OEA) expediu sentença determinando que o Brasil precisa garantir a vida e a integridade física dos adolescentes privados de liberdade.

A Unis amontoa cerca de 290 adolescentes em um espaço destinado para apenas 110 pessoas. Além da superlotação, torturas físicas e psicológicas, encarceramento em contêineres e ausência de assistência médica e jurídica são apenas algumas das contravenções praticadas contra os adolescentes. Entre abril e julho deste ano, pelo menos três assassinatos foram registrados dentro da unidade.

As estruturas não são adequadas à sobrevivência e reabilitação dos jovens. A unidade não tem ventilação externa, é impossível a entrada de luz natural e as condições de higiene são precárias. Além disso, jovens com medidas de internação já determinada dividem o mesmo espaço com aqueles que ainda aguardam decisão. Também alguns jovens maiores de idade ainda estão no local.

Entidades da sociedade civil vinham denunciando há bastante tempo a situação de descaso do poder público Estadual e as condições desumanas às quais os adolescentes estavam submetidos dentro da Unis. Indignados com esta situação e cansados de apelar para o poder público local sem receber resposta positiva, a Justiça Global e o Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Serra – ES solicitaram a intervenção da OEA para interromper as transgressões aos direitos humanos.

“Nós já vínhamos acompanhando esta problemática. As instâncias internas uniram esforços para fazer cumprir os direitos das crianças e dos adolescentes, mas estes esforços não foram suficientes. Por este motivo, resolvemos apelar para as instâncias internacionais. A decisão da OEA confirmar que aqui a violação dos direito humanos passou dos limites”, esclarece Gilmar Ferreira, coordenador geral do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Serra -ES.

O documento, divulgado ontem (26) pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, dá ao Brasil 20 dias para se pronunciar e para que a União “adote as medidas necessárias para assegurar efetivamente a vida e a integridade física dos adolescentes internos na Unis, não permitindo que homicídios e atos de tortura ocorram no estabelecimento”. Caso as medidas não sejam cumpridas, o país poderá sofrer sanções.

Segundo Gilmar Ferreira, também existe a possibilidade de haver punição internas, já que o Estado estava ciente do que acontecia dentro da Unidade de Internação Sócio-educativa. “Do ponto de vista interno, do Estado, também cabem ações de punições para os culpados. Em alguns casos, constatamos que a OEA puniu por omissão”, esclarece.

Cabe às entidades que realizaram a denúncia fazer a fiscalização para conferir se as medidas impostas pela OEA estão realmente sendo tomadas. “O Estado vai se pronunciar e nossa expectativa é que as medidas impostas pelo organismo internacional sejam cumpridas. Está mais que na hora de começarmos a resolver de forma definitiva as violações aos direitos humanos que estão acontecendo no Espírito Santo”, afirma Gilmar.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui