‘Eu quero ser o presidente da União’, afirmou Serra

213
Serra e Aécio

O ex-governador de São Paulo José Serra disse neste sábado (10), durante o lançamento de sua pré-candidatura à Presidência da República, que não vai aceitar um embate do “nós contra eles” durante a campanha eleitoral. “Não aceito o raciocínio do nós contra eles. Não cabe na vida de uma Nação. Somos todos irmãos na pátria. Lutamos pela união dos brasileiros e não pela sua divisão”, afirmou em seu discurso, realizado em um centro de convenções em Brasília. “Eu quero ser o presidente da União”, disse.

“Não temos problema com o nosso passado, não temos mal entendido com nosso passado. Mas precisamos admitir que falta ainda muito o que fazer. O Brasil pode ser muito mais do que é hoje. O Brasil pode resolver problemas sem ceder à demagogia, à bravata”, disse.

Serra iniciou sua fala pedindo um minuto de silêncio em homenagem às vítimas das enchentes e deslizamentos no Rio de Janeiro. Durante sua fala, o ex-governador se referiu aos avanços econômicos e sociais do Brasil, mas ressaltou que eles se devem à “estabilidade democrática, luta e trabalho.

“Não foram conquistas de um só homem ou de um só governo, muito menos de um único partido. Todas são resultado de 25 anos de estabilidade democrática, luta e trabalho. E nós somos militantes dessa transformação, protagonistas mesmo, contribuímos para essa história de progresso e de avanços do nosso País. Nós podemos nos orgulhar disso”, afirmou.

“Às provocações, vamos responder com serenidade; às falanges do ódio que insistem em dividir a nação vamos responder com nosso trabalho presente e nossa crença no futuro”, afirmou. “Vamos responder sempre dizendo a verdade. Quanto mais mentiras os adversários disserem sobre nós, mais verdades diremos sobre eles”, afirmou, quase ao final de seu discurso.”

Serra disse ainda que o respeito à democracia e ao Estado de Direito é “inegociável”. “Começamos pelo apreço à democracia representativa. A democracia devemos respeitá-la, fortalecê-la, jamais afrontá-la. Democracia e Estado de direito são valores inegociáveis, insubstituíveis”, disse.

Segundo o governador, “eleição é uma escolha sobre o futuro”. “Olhando pra frente, sem picuinhas, sem mesquinharias, eu me coloco diante do Brasil, hoje, com minha biografia, minha história política e com esperança no nosso futuro”, disse.

Olhando pra frente, sem picuinhas, sem mesquinharias, eu me coloco diante do Brasil, hoje, com minha biografia, minha história política e com esperança no nosso futuro

Em seu discurso, Serra lembrou ainda de sua atuação no Congresso e como ministro do governo Fernando Henrique Cardoso. Ele ressaltou o apoio dos partidos de oposição a suas iniciativas, entre eles o que “tirou do papel o seguro-desemprego”, disse, que beneficia sete milhões de trabalhadores. “Todos os partidos e blocos a apoiaram.”

Se o povo assim decidir, vamos governar com todas e com todos, sem discriminar ninguém. Juntar pessoas em vez de separá-las; convidá-las ao diálogo, em vez de segregá-las; explicar os nossos propósitos, em vez de hostilizá-las. Vamos valorizar o talento, a honestidade e o patriotismo em vez de indagar a filiação partidária”

No Ministério da Saúde, Serra lembrou da “criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Saúde, a implantação dos genéricos, a proibição do fumo nos aviões e da propaganda de cigarros e a regulamentação dos planos de saúde”.

Ele afirmou que a saúde estagnou durante a gestão do presidente Lula. O ex-governador lembrou que quando estava à frente do ministério, ele implementou o programa contra a Aids.

“Fizemos a melhor campanha da Aids no mundo.(..) Cerceamos o abuso do incentivo ao cigarro e tabaco em geral”, afirmou.

Serra disse que um eventual governo sob seu comando seria tolerante a todas as orientações políticas. “Se o povo assim decidir, vamos governar com todas e com todos, sem discriminar ninguém. Juntar pessoas em vez de separá-las; convidá-las ao diálogo, em vez de segregá-las; explicar os nossos propósitos, em vez de hostilizá-las. Vamos valorizar o talento, a honestidade e o patriotismo em vez de indagar a filiação partidária”, afirmou.

Em sua fala, Serra criticou o desempenho do atual governo na área educacional. “É preciso prestar atenção num retrocesso grave dos últimos anos: a estagnação da escolaridade entre os adolescentes. Segundo ele, é preciso “turbinar o ensino técnico e profissional, aquele que vira emprego”. O ex-governador chegou a prometer “multiplicar por dois ou três o número de alunos no país inteiro, num período de governo”.

O PIB brasileiro poderia crescer bem mais se a infraestrutura fosse adequada, se funcionasse de acordo com o tamanho do nosso país, da população e da economia ”

Serra defendeu ainda a certeza da punição a criminosos. “Um país só poderá atingir a paz se se existir a garantia de que a atitude criminosa não ficará sem castigo”, afirmou. “Quero que meus netos crescam num país onde a lei será aplicada a todos. No país, nenhum brasileiro vai estar acima da lei. Com segurança na Justiça o Brasil pode mais.”

Críticou também os problemas de infraestrutura no Brasil. “O PIB brasileiro poderia crescer bem mais se a infraestrutura fosse adequada, se funcionasse de acordo com o tamanho do nosso país, da população e da economia.”

Durante seu discurso, o ex-governador fez homenagens à criadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, que morreu em um desabamento causado pelo terremoto que afetou o Haiti em fevereiro passado, e à ex-primeira-dama Ruth Cardoso, que morreu no ano passado devido a problemas cardíacos.

Pelo tom vamos ter uma campanha buscando o passado político dos candidatos, e Dilma não tem a experiência que um candidato a presidência deve ter, e seu passado como militante de esquerda não lhe soma boas qualidades.

Com informações da equipe de Claudio Humberto

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui