Morales antecipa volta a La Paz, depois de enfrentar protestos de sindicalistas

136

O presidente da Bolívia, Evo Morales, enfrentou ontem (10) uma das maiores manifestações contrárias ao governo na cidade de Oruro. A violência do protesto fez com que Morales antecipasse o retorno à capital, La Paz, e não participasse de um desfile cívico na cidade. Os manifestantes usaram dinamite e foguetes. O porta-voz da Presidência, Ivan Canelas, disse que “facções radicais” foram responsáveis pelo protesto.

Segundo a Agência Boliviana de Informações (ABI), Morales pretendia participar da cerimônia em Oruro, mas foi impedido.

“Infelizmente, quando se iniciava o desfile cívico, os líderes [do protesto] provocaram atos com o uso de dinamite e foguetes para causar medo na população”, disse Canelas. “Por essa razão e para não para responder a esses atos, o presidente e o vice-presidente [Alvaro García Linera] voltaram a La Paz.”

Para o porta-voz, os protestos tiveram o apoio de alguns setores sindicais, como a Central dos Trabalhadores Departamental de Oruro (COD). Segundo ele, as manifestações reivindicavam respostas imediatas sobre o problema da carência de açúcar, a alta dos preços de vários produtos e serviços na Bolívia.

Também ontem houve ameças de fechamento da Companhia de Apoio à Produção de Alimentos (Emapa). Segundo o porta-voz, a ameaça foi provocada por setores oposicionistas com o apoio de governos estrangeiros. De acordo com Canelas, os líderes sindicais, aos quais atribui as responsabilidades dos protestos, foram “totalmente isolados”.

Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui