Senadores que querem afastamento de Sarney vão ler manifesto no plenário reiteirando posição

200
Senadores de oposição ao presidente do Senado, José Sarney, durante reunião
Senadores de oposição ao presidente do Senado, José Sarney, durante reunião

Os partidos e senadores isoladamente, que defendem o afastamento de José Sarney (PMDB-AP) da presidência do Senado, pretendem ler, ainda na sessão plenária de hoje (6), manifesto reforçando a posição já tomada. A informação é do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) que, em nome de alguns senadores que se reuniram em seu gabinete, afirmou que esse grupo pretende promover eventos em cidades para mobilizar a sociedade pela “ética no Senado”.O pedetista criticou o fato de o PT não ter assinado o manifesto até o momento. Segundo ele, PDT, DEM, PSDB, e P-SOL, além do senador Renato Casagrande (PSB-ES), já assinaram o manifesto. Esse grupo, acrescentou, reconhece que o apoio institucional do PT ao documento é fundamental no processo de afastamento de Sarney e andamento das investigações no Conselho de Ética.

“O PT é fundamental neste processo. Para onde o partido for vai a solução para o problema. Como o PT está dos dois lados, não está de lado algum”, afirmou Buarque, em nome do grupo de partidos e parlamentares que pedem o afastamento do presidente do Senado. Segundo Buarque, o senador Tião Viana (PT-AC), que participou da reunião, disse que a maioria da bancada petista defende, como ele, o teor do manifesto e estaria disposta a assiná-lo.

A decisão tomada em seu gabinete de “ir ás ruas” para buscar o apoio da sociedade foi acompanhada de outras duas decisões, de acordo com Cristovam Buarque: cada vez que uma representação contra Sarney for arquivada no Conselho de Ética os parlamentares vão requerer que a decisão seja submetida ao plenário do Senado. A outra, é de que nenhum dos parlamentares “cederá a ameças” do grupo aliado ao presidente da Casa.

Mais cedo, o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL) afirmou à Agência Brasil que “a questão do Senado não tem fato novo. Quem é de um lado continua, e permanecem as divisões no PT, DEM e no PMDB”. Renan Calheiros é um dos principais aliados de Sarney que, ontem, reafirmou que não vai renunciar ao cargo.

Além de Cristovam Buarque, participaram da reunião os senadores Tião Viana (PT-AC), Pedro Simon (PMDB-RS), Arthur Virgílio (PSDB-AM), Sérgio Guerra (PSDB-PE), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Demóstenes Torres (DEM-PI) e José Neri (P-SOL-PA).

Fonte: Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui