Estudo da OMS revela que aspartame, usado em adoçantes, pode causar câncer

146

Composto é comum em refrigerantes dietéticos, sorvetes, pastas de dente e certos remédios; novo relatório revela que é seguro consumir 40 miligramas por quilo de peso corporal por dia

Um novo relatório da Organização Mundial da Saúde, OMS, indica que o adoçante aspartame pode ter uma possível ligação com o câncer. O produto é usado em refrigerantes dietéticos, sorvetes e até mesmo em alguns medicamentos.

A agência destaca que após as avaliações feitas ao adoçante comum, evidências nesse sentido não foram convincentes e a substância ainda poderia ser consumida com segurança em quantidades razoavelmente altas.

Refrigerantes 

O limite aceitável de ingestão diária do aspartame é de 40 miligramas por quilo de peso corporal. A OMS explica que um adulto pesando 70 quilos precisaria tomar mais de nove e até 14 latas de refrigerante diet por dia para que pudesse excedê-lo.

Esse seria o total suposto a ingerir no caso de um consumidor que não estaria recebendo aspartame de outros alimentos ou bebidas. Uma lata de refrigerante diet normalmente contém entre 200 e 300 miligramas do adoçante.

O composto pode ser encontrado em algumas pastilhas e sobremesas sem açúcar e com baixa calorias.

Os especialistas enfatizaram que com este anúncio não estavam aconselhando as empresas a retirar seus produtos ou indicando que as pessoas evitem completamente o aspartame.

Uso moderado 

De acordo com o diretor do Departamento de Nutrição e Segurança Alimentar da OMS, Francesco Branca, o propósito era simplesmente aconselhar o consumo com um pouco de moderação.

A Análise envolveu a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, Iarc,  que identifica agentes causadores da doença. 

O Comitê Misto de Especialistas da Organização da Nações Unidas para Agricultura e alimentação, FAO, e OMS em Aditivos Alimentares examina o potencial risco destas substâncias para os consumidores.

Classificação do composto como sendo possivelmente cancerígeno 

Em 2019, um painel consultivo destacou o aspartame como tendo “alta prioridade” para revisão. 

O Iarc explicou que a classificação do composto como sendo possivelmente cancerígeno revela haver alguma evidência de que a substância pode causar câncer em humanos que está, no entretanto, longe de ser conclusiva.

A chefe interina do programa de monografias da Iarc, Mary Schubauer-Berigan, explicou que a exposição a um cancerígeno não significa que uma pessoa terá a doença.

Onu News

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui