Como e porque uma Igreja Batista deixa de ser Batista

72
pastor-ivo-veloso-do-carmo
Pr. Ivo Veloso do Carmo

10 anos sem o Pr. Ivo Veloso do Carmo, que mesmo
“depois de morto, ainda fala” (Hb. 11: 4).
Esta Matéria foi publicada pelo Jornal de Religião – Baixo Santo – ES, em junho de 1999. Escrita pelo saudoso Pr. Ivo Veloso do Carmo, pouco antes do seu falecimento em 10 de Junho de 1999.
Ivo Veloso do Carmo (*)

No Preâmbulo das minhas ponderações sobre o tema proposto, cabe, aqui, mesmo que de forma sucinta e simples, apresentar o que penso ser uma IGREJA BATISTA.
Antes de tudo, para ser uma IGREJA BATISTA, necessariamente, o grupo ou comunidade tem que estar estribado em Cristo, sob a égide do Espírito Santo e guiado pela sábia iluminação da Palavra de Deus. Para que, se torna indispensável o equilíbrio, a humildade, a prudência, a dependência de Deus, a coerência, a sabedoria, a convicção, a verdade, a defesa da ordem e da decência, como conseqüência da presença transformadora de Cristo, rocha eterna, sobre a qual a IGREJA BATISTA está edificada. Outrossim, a aceitação das Escrituras Sagradas como única regra de fé e prática, pela democracia e autonomia de um grupo de pessoas regeneradas e biblicamente batizadas, pela separação entre Igreja e Estado, absoluta liberdade de consciência, responsabilidade individual diante de Deus, autenticidade e apostolicidade das igrejas e pela intensa e ativa cooperação entre si.
Isto posto, já podemos visualizar como uma IGREJA BATISTA pode ser minada e desqualificada. O distanciamento dos princípios regentes e determinantes do que seja uma IGREJA BATISTA, vai, gradativamente se configurando pela conseqüente ausência de zelo pelos adjetivos qualificativos que caracterizam uma autêntica IGREJA BATISTA.
Esse descuido abre precedentes e se constitui em um dos pontos vulneráveis e sutis, através dos quais os inimigos penetram sorrateiramente e com lobos vestidos de cordeiros assumem a liderança, mudam o rumo, maquilam os princípios, invertem os objetivos, apropriam indebitamente do nome e muitas vezes dos bens materiais, e assim descaracterizam a igreja, sem, todavia mudar o seu nome, com o objetivo de produzir confusão na mente do povo e na perspectiva de levar vantagens, pois conhecem a honradez incontestável, a dignidade e o respeito pelos quais notabilizam, através da história centenária, as verdadeiras IGREJAS BATISTAS no Brasil.
Diante das sutilezas do inimigo que deseja minar, solapar e destruir as bases fundamentais de uma IGREJA BATISTA, todo cuidado deve ser tomado com prudência, amor e vigilância.
O relativismo aliado ao misticismo tem sido a arma poderosa nas mãos dos inimigos para descaracterizar uma a IGREJA BATISTA.
A aceitação da filosofia do relativismo e das doutrinas do misticismo tem levado algumas igrejas a abandonarem os seus fundamentos originais para seguirem as heresias do secularismo relativista e místico, que apontam inversamente o Caminho de Deus, valorizando mais a criatura do que o criador, colocando a criatura acima do
criador, e por outro lado, a valorização exagerada da quantidade em detrimento da qualidade tem contribuído, de forma contundente, para abdicação de princípios fundamentais e norteadores das IGREJAS BATISTAS e se constituído em objetivos vaidosos, pretensiosos e diabólicos, que valorizam a troca do real pelo irreal, do verdadeiro pelo falso, do certo pelo errado, do espiritual pelo material, do que é verdadeiro pelo que parece verdadeiro. Assim tudo começa a se deteriorar e a igreja vai se acostumando com práticas estranhas aos seus princípios originais e vergonhosamente vai se deteriorando a sua qualificação como IGREJA BATISTA, apesar da permanência do nome.
Há um adágio popular que afirma: “diga-me com quem andas e te direi quem és”. Em Tiago no capítulo 3: 5 – 5, a Bíblia diz: ” Vede também as naus que, sendo tão grandes, é levadas de impetuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade daquele que as governa. Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia”.
O ecumenismo “evangélico” e até “religioso”, via intercâmbios, troca de púlpitos, encontros de oração, troca de experiências etc. tem se tornando em um campo fértil para lançar sua semente ou acender a sua centelha nociva aos princípios fundamentais da IGREJA BATISTA e porque não dizer até da palavra de Deus.
Finalmente, fica registrada a minha convocação a todos os fiéis apologistas das verdades límpidas da Palavra de Deus, dos fundamentos sobre os quais devemos construir o nosso edifício espiritual, a que sejamos mordomos de Cristo na luta, na guerra contra as artimanhas sagazes dos inimigos que pretendem secularizar, relativizar as verdades e princípios de Deus, tornado-os igualitários e, conseqüentemente, ineficazes e vazios.
Lutemos com Cristo, pois com Ele somos mais que vencedores.

* O autor era Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul da Brasil – RJ e quando faleceu em 10 de junho de 1999 era pastor da Igreja Batista Central de Aimorés – MG.

Matéria enviada pelo Pr. Helio Cordeiro Volotão – 2º vice-presidente da Ordem do Pastores Batistas do Brasil – Secção/MG e Coordenador da Associação das Igrejas Batistas Leste da Mata – ABALEMA.
Homenagem póstuma ao meu grande amigo. Saudosa memória!

5 COMENTÁRIOS

  1. Realmente o que está acontecendo hoje é isso. A caracteristica das Igrejas Batistas está sendo transformada pela influência de outras linhas religiosas.
    O texto foi escrito com muita propriedade, e foi também publicado no Jornal Batista Mineiro no primeiro semestre de 1999.

  2. Deixando os conceitos teológicos e demoninações,todo cristão deve sem dúvida colocar dentro
    dos princípios a Verdade Bíblica.João,8-31;32,
    Se vós permanecedes na minha palavra,verdadeiramente sereis meus discípulos;
    E conhecereis a verdade,e a verdade vos libertará.

    • Olha, e com que propriedade este ecrito acima é como se 13 anos depois ele estivesse aqui.
      ” E Conhecereis a verdade, e a verdade no Lirbetará ” Parabens, Pastor é certo que faltam homens como o Sr. nos dias de hoje.

  3. Devair G. Oliveira as igrejas Batista está agindo certo ao ministrarem as células conforme um dos irmãos aceitam que seja realizadas todas as semanas uma vez na semana? Sou membra da igreja Batista ha mais de trinta anos e estou frequentando aqui no bairro próximo de minha a mais ou menos dois meses.

    RESPOSTA

    Prezada Léia

    Eu não sou pastor como você disse, sinceramente sou Batista há muito tempo, mas não se como funcionam as igrejas celulares, eu particularmente não gostei do que já ouvi até hoje sobre as células.
    Acho que vivemos hoje uma inversão de valores, as igrejas estão deixando de lado a evangelização não se prega o evangelho segundo as ordenanças de Jesus, estão mais preocupados com as aparências e cada um cuida de si, o amor esta esfriando, e as igrejas que vivem lotadas trabalham duro com um marketing e muita propaganda e estão atraindo muita gente que deseja cura e riquesa.

    Conta-se que um homem muito pobre e com cinco filhos compareceu a uma igreja visitou e ficou frequentando por um bom período ele disse que estava desempregado e todos de sua casa, ninguém foi a sua casa ou procurou para ajudá-lo, nesta mesma igreja chegou outra família, mas desta feita em um belo carro importado e foi logo recebido pelo pastor e naquele mesmo dia ele recebeu a visita do pastor, e ao indagar do homem sobre sua vida etc, ele respondeu ao pastor: o Sr. não me conhece, estou frequentando a tua igreja há mais de dois meses, eu sou aquele homem com cinco filhos e desempregado.

    Att,

    Devair G. Oliveira
    MG-09523-JP

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui