O nariz do deputado

145

No ano 2000, Michel Têmer era o presidente da Câmara dos Deputados. Naquele ano, ele teve um problema no nariz, que precisou de uma cirurgia corretiva. A imprensa falou tanto desse nariz que o dono dele disse ao jornalista Márcio Moreira Alves lamentar o fato de que a mídia desse destaque ao irrelevante e silenciasse diante do que é importante, e contou: “Veja o meu caso: não fumo, mas tinha um pigarro forte e roncava muito à noite. Fui fazer um exame com um otorrino, que constatou que um desvio de septo e um ossinho fora do lugar no nariz eram as razões tanto do pigarro como dos roncos. Era coisa fácil de se resolver cirurgicamente. Fiz a operação, alguém contou para a imprensa, saiu nas revistas, deu na televisão e até os transeuntes que cruzo no trânsito de São Paulo, quando me reconhecem, levantam o polegar e apontam para o meu nariz. Enquanto isso, ninguém fala de termos conseguido um acordo entre todos os líderes para votar a reforma do Judiciário (…) Acho que estamos dando preferência às discussões sobre o pontual e esquecemos o conceitual” (cf. O Globo, 30-01-2000).

Não é só a imprensa que comete esse erro. Todos nós, uns mais, outros menos, temos critérios às vezes estranhos para avaliar pessoas, fatos e situações. A contradição faz parte da nossa humanidade, por mais racionais que tentemos ser. Precisamos, porém, aprender a identificar o que é importante e o que não é. Precisamos descobrir o que merece as nossas energias e o que pode ser deixado para outra pessoa fazer. O filósofo americano Ralph W. Emerson já advertia: “Os que se dedicam demais a coisas pequenas quase sempre se tornam incapazes das grandes”.

Muitas vezes, na família, no trabalho e mesmo na igreja, supervalorizamos o periférico e esquecemos o que é central. A sabedoria consiste em separar uma coisa da outra, dando prioridade ao essencial.

Pr. João Soares da Fonseca

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui