Escolas Públicas

192

image from JM73_v2-10O responsável pela criação das primeiras escolas estaduais foi o Presidente da Câmara municipal Cel. Frederico Antônio Dolabela, com a seguinte distribuição:

Ensino Estadual nos Distritos – Maria Quitéria da Silva – Santa Margarida; Francisca Dias de Lana – Santa Helena (Caputira); Carolina Júlia Pereira – Distrito da Cidade; Angelina de Castro Mendes – Distrito da Cidade; Daniel Martiniano de Cerqueira – Pirapitinga (Manhumirim); – S. Sebastião da Sacramento; João da Silva Quadros, Maria Augusta da Silva e Carlos Fernandes de Oliveira Catta Preta.

Normalistas da cidade de Manhuaçu

D. Dulce Welerson, filha do Presidente da Câmara, Dr. Antônio Welerson e de

D. Jupira Nogueira da Gama, D. Adelina de Paula Sette de Azevedo. Esta foi a primeira normalista da nossa terra, formada pela Escola “Sagrada Providência”, de Mariana.

D. Adelina era filha, pelo lado paterno, de Tertuliano Rodrigues Sette e pelo materno de D. Adelina de Paula Salazar, descendentes das famílias Rodrigues Sette e Paula Salazar que vieram para Manhuaçu nas últimas décadas do século passado como pioneiros da zona rural, onde possuíram grandes fazendas.

D. Adelina viajava a cavalo, daqui até Ponte Nova, para tomar outra condução até Mariana. A viagem para o colégio era feita de ano em ano, pois, eram muito difíceis as viagens naqueles tempos. Até que, num dia do ano de 1917, a jovem professora chegou. Era a normalista da nossa terra, trazendo uma boa bagagem de conhecimentos para transmitir à infância.

Como era o ensino até princípios de 1925.

Eram quatro escolas isoladas. Uma escola funcionava próximo ao Estádio JK. Num velho casarão. A professora era D. Dulce Welerson. Depois chegaram D. Maria Coelho Galindo, a querida D. Mariquinhas, e D. Geni Pinto Coelho.

Funcionava outra escola, próximo à rua Etelvino Guimarães e a professora era

D. Adelina de Paula Sette de Azevedo. Na parte mais alta da cidade, funcionava a escola do saudoso professor Manoel José do Carmo, professor do sexo masculino, pois, o ensino naquela época não era misto. No Bairro do Coqueiro funcionava a escola de D. Alaíde Costa.

Manoel José do Carmo foi um batalhador do ensino primário masculino em nossa terra. Na sua juventude estudou em ouro Preto e foi um professor muito eficiente. Era natural de Guaraciaba. Aqui prestou grandes serviços ao ensino e foi o primeiro diretor do Grupo Escolar “Monsenhor Gonzalez” em 1925.

Aqui terminou a sua árdua carreira e faleceu em Belo Horizonte em um acidente de carro. Seu nome, dado a duas ruas da cidade, ainda é pouco para quem tanto fez como professor e fundador do primeiro asilo de velhos da cidade o qual funcionava na rua Monsenhor Gonzalez, abaixo da matriz de São Lourenço. No Bairro do Coqueiro funcionava a escola de D. Maria Alaíde Costa.

Em 1917 houve a primeira Escola Normal que funcionou, apenas um ano, na parte térrea da residência do professor Hiram de Carvalho.

Nossa terra ia deixando aos poucos seus ares de gentil caipirinha. Muitos queriam ajudá-la, muitas prendas valiosas ela foi ganhando.

Nossa Terra, Nossa Gente da professora e escritora Adeuslyra Corsette

1 COMENTÁRIO

  1. Sou filha de Manhuaçu e estudei, na década de 50, no G. E. Monsenhor Gonzalez. Fiquei muito feliz de poder conhecer um pouquinho dessa Historia das origens das Escolas da miha querida cidade. Sou professora, apaixonada pela Educação, Ministro aulas de Português e Espanhol no Estado de São Paulo, sou também Escritora e membro da ANL- Academia Nogueirense de Letras. (Sou prima da nossa imortal Adeuslyra Corsette).
    Estou muito feliz de ter acesso a este Site, e pretendo estar sempre em contato

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui