Povoadores que chegaram no século XIX – parte 2

129

JOAQUIM LEANDRO GONÇALVES = Declarou em 25/ 1/1855, possuir na freguesia de Abre Campo, termo de Mariana, terrenos de cultivo de milho no Manhuaçu, no lugar denominado de San Francisco, cuja planta tem 1 alqueire, mais ou menos, seus limites são com terrenos de Francisco de Paula Cunha, um espigão, e ribeirão acima com terras de Joaquim Fernandes Leão.

ANA MARIA DA CON-CEIÇÂO = Declarou em 25/11/1855,possuir terrenos na freguesia de Abre Campo, no termo de Mariana, no lugar conhecido como “Bálsamo”, onde plantou 200 alqueires de milho, dividindo com terrenos do tenente Francisco Ignácio Fernandes Lião ate uma capoeira e rio abaixo, com Florentino de Tal, no morro chamado do “S”, de um lado com terras de Maria da Conceição e de outro com terras do Reverendo Bento de Souza Lima FRANCISCO IGNÀCIO FERNANDES LEÂO=Possuir de Terras no Bálsamo em 25/11/1855

JOAQUIM PEREIRA DA SILVA = Declarou ser possuidor de terras, no lugar denominado “Boa Esperança”, com culturas de milho, confrontando com Jacob Corrêa Raposo e córrego acima com Manoel Antônio de Araújo, registro realizado em Santa Margarida em 26/11/1855,no livro de Registros de terras da freguesia de Abre Campo.

JOAQUIM JOSÈ COUTINHO=declarou 26/11/1855, possuir 200 alqueires de plantação de milho, no lugar denominado de Córrego da Lage, vertente do rio São Simão, rio acima com terras de Antônio Dutra de Carvalho, rio abaixo com Manuel Dutra Vieira

IGNÁCIO JOSÉ DE FARIA=Declarou possuir terrenos no ribeirão São Luiz dividindo com Luís Nunes de Carvalho e para cima com a serra do Carangola.

JOÃO GONÇALVES DUTRA = Segue seu Registro de Terras na freguezia de Santana (Abre Campo) a qual copiamos e registramos abaixo Livro de Registro de Terras da Freguezia de Santana (Abre Campo)

“No dia 22/02/1853,eu paguei os direitos nacionais que tinha direito nas terras que dividem com terras de Luís Nunes de Carvalho, Antônio José da Silva Bran-dão, Manoel João de Jesus e a sesmaria da cachoeira Torta e outros, declaro que a maior parte das terras está em capoeira, as quais estão com vertentes já declaradas e declaro ainda mais 10 alqueires de plantação de milho da cachoeira Torta, comprei de José Felix Teixeira e sua mulher Maria Eleotéria” Data do registro 11/08/1856

João Gonçalves Dutra

ANTÔNIO DUTRA DE CARVALHO = um dos maiores ou o maior possuidor de terras na região, foi dono de propriedades da nascente do Rio Manhuaçu ate o Quartel do Manhuaçu, onde passava a Estrada Real Vitória-Vila Rica, que durante o Império brasileiro passou a ser chamada Rota Imperial Dom Pedro de Alcântara.

Também era possuidor de terras nas margens do ribeirão São Luiz e Serra do Caparaó.

Declarou possuir as seguintes propriedades =

1) A fazenda do “Paraiso das Montanhas”, na vertente do Rio Manhuaçu, divisa por baixo com terras do Aldeamento dos Puris, divisa no alto, com o espigão do ribeirão São Luiz, descendo por ele ate o Manhuaçu e atravessando-o procurar outro espigão ate achar o espigão “Mestre”, segue por ele até encontrar a vertente do segundo córrego que desce para o Manhuaçu, até encontra-lo numa cachoeira, compreendendo nove a dez sesmarias do lado direito do Rio Manhuaçu, registro feito em Abre Campo em 10/3/1855

2) A fazenda “Paraíso da Serra”, vertentes do Rio Manhuaçu, limites por cima com a serra do Criciúma em terras de Luiz José de Faria, divisas com ,Joaquim dos Santos, Joaquim Leandro das Nascentes, divisa por baixo com o “Quartel do Manhuaçu”, com 1 alqueire e meio, registro em Abre Campo em 1/12/1855

3) Onde está registrado com os seguintes dizeres”o abaixo assinado ,tendo obtido por titular legitimo dos antigos aventureiros “Buenos Cacunda” e seus parentes, grandes terrenos nas vertentes do Jequitibá, José Pedro e Manhuaçu na freguesia de Abre Campo, compreendendo as terras da Serra da Jibota ou Campos do Caparaó” Antônio Dutra de Carvalho em 1/3/1855

4) Fazenda Alto da Boa Vista, parte de baixo do Rio São Simão, parte cima com Antônio Gonçalves Ribeiro e Manuel Antônio Vieira em 1/3/1855.

JOAQUIM JACQUES= primeiro proprietário da ses maria da cachoeira Chata, próxima a cidade de Manhuaçu.

FRANCISCO INÀCIO DE MELO = Declarou em 11/08/1856, que tinha ½ alqueires de terras de sesmarias, na Frequezia de Santana, situadas no local denominado Alto do Paraiso, vertente do Manhuaçu, dividindo com João Alves Barbosa e Joaquim José dos Santos.

Declarou também possuir cinquenta léguas de terras no lugar conhecido como Vista Alegre, vertente do Manhuaçu, dividindo com João Alves Barbosa, Adão Mariano de Oliveira e Inocêncio de Almeida Reis.

Vista Alegre, localidade acima da atual cidade de São João do Manhuaçu onde nasce um dos braços do Rio Manhuaçu.

MANOEL GREGÓRIO MENDES DE CARVALHO = Declarou que possuía na página 203 do livro de Registro de Terras da Freguesia de Santana(Abre Campo)1853/1859 em 25 de novembro de 1859.

“Registro de Terras na Freguezia de Santana de Abre Campo declaro que sou possuidor de terras no ribeirão da Cabeluda ou seja sesmaria de terras, dividindo pela nascente com Francisco Antônio de Meirelles e terrenos incultos acima e ribeirão abaixo com Ezequiel de Tal pelas vertentes naturais”.

Data do registro= 25/11/1859.

Declarou possuir também terras em Santa Margarida

FRANCISCO MANUEL DE PAULA CUNHA = declarou ser possuidor de terrenos no ribeirão Barra Grande, que deságua no Rio José Pedro, na quantidade de 600 alqueires, em divisão com Manoel Joaquim de To-ledo, comprado de Vicente Gomes Teixeira.

Córrego do Ouro em 25/2/1856

MANUEL FRANCISCO DE PAULA CUNHA = declarou possuir terras no Córrego da Pedra, vertente do rio Jequitibá com 400 alqueires, divididos com Francisco de Paula Cunha

Declarou possuir outros terras com 30 alqueires, dividindo com Bonifácio José Pereira na vertente do Rio José Pedro em 1/1/1856 400 alqueires no ribeirão do Rancho do Mantimento, vertente do rio José Pedro, dividindo pela estrada da parte norte com Bonifácio José Pereira e pela frente com Francisco de Paula Cunha, registrado em Manhuaçu em 4/4/1856.

MANUEL PEREIRA DE FARIA = declarou possuir 30 alqueires de terras no Ribeirão do Rancho de Mantimento.

LUCIANO GALLO = declarou possuir terras no ribeirão das Palmeiras, vertente do rio São Simão, na quantidade de 30 alqueires, dividindo com Francelino Rodrigues e Manoel Antônio Vieira.17/4/1856.

E também no córrego São Joaquim, vertente do Rio Jequitibá,150 alqueires, dividindo com Modesto Porcino de Jesus e Narciso Antônio de Freitas em 17/4/1856.

Sendo que pelos registros o maior possuidor era o ANTÔNIO DUTRA DE CARVALHO e em segundo lugar os PAULA CUNHA, que tinham vastas terrenos onde hoje é o município de Manhumirim.

Doaram um patrimônio para o Senhor Bom Jesus, que originou o arraial de Pirapitinga, atual cidade de Manhumirim.

Pesquisa de José Olinto Xavier da Gama no Arquivo Público Mineiro

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui