Brasileiro com cidadania Timorense luta para superar as adversidades do futebol e engrenar na carreira

118

Meia, Thiago Fernandes, conta sua trajetória até chegar no Kirivong Sok, do Camboja, depois de rodar o futebol brasileiro e alguns outros países
 
Depois de ter passado por diversos problemas no começo da carreira, Thiago ainda sonha e crê em conseguir crescer no futebol. Encontrou empresários que não o ajudaram, viagens curtas, frio e a falta de reconhecimento no esporte, que ainda fere diversos atletas do futebol brasileiro.

“Fui tentando ganhar espaço, sempre quis jogar futebol, não pensava em poder fazer outra coisa a não ser uma coisa que eu amo tanto e pratico desde pequeno. Largar tudo, família, amigos, passar por dificuldades, não é fácil, mas quando consegui encontrar uma estabilidade, um projeto que pudesse me sentir seguro, me fez acreditar”, comentou o meia.

Thiago sempre teve como seu principal ídolo na vida e na carreira, seu pai. Ele tentou até ser jogador, era tratado como craque dentro do futebol de várzea, mas o destino e a chegada de Thiago, fizeram com que o rumo dessa história fosse diferente. Todavia, desde criança, sempre andaram juntos e o amor do Thiago pelo futebol, só foi crescendo.

“Minha inspiração sempre foi meu pai, pessoal sempre falava, se você jogar 10 por cento que seu pai jogou, você será um craque. Me falavam sempre que meu pai era um craque no amador e dentro do correio ele é conhecido pelo futebol dele, onde largou o seu sonho por conta da minha chegada, mas tinha o futebol como refúgio, para se sentir feliz”, conta o atleta.

Hoje, com 29 anos, Thiago, está jogando no Camboja, entrou para o Kirivong Sok como cidadão Timorense, mas sonha em se destacar, fazer uma boa competição e poder voltar a atuar em bom nível no futebol brasileiro. “Ficar mais perto da família também é essencial”, finaliza.

(Foto: Divulgação)
 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui