1º dia de desfile Especial de carnaval em São Paulo Dragões, Mancha e Rosas são destaques

192

Dragões da Real, Mancha Verde e Rosas de Ouro foram os destaques 1º dia do Grupo Especial do carnaval de São Paulo em 2024, em uma noite marcada por enredos sobre a África, negritude e carnaval — com algumas exceções.

Camisa Verde e Branco, Barroca Zona Sul, Independente Tricolor e Acadêmico do Tatuapé 

também desfilaram na noite desta sexta-feira (9) à manhã deste sábado (10).

Noite quente e sem chuva, as escolas não tiveram problemas e completaram todos os seus desfiles a tempo.

No segundo dia dos desfiles, entre este sábado e o domingo (11), completam o carnaval de São Paulo Vai-Vai, Tom Maior, a atual campeã Mocidade Alegre, Gaviões da Fiel, Águia de Ouro, Império de Casa Verde e Acadêmicos do Tucuruvi.

Desfiles do 1º dia

  1. Camisa Verde e Branco
  2. Barroca Zona Sul
  3. Dragões da Real
  4. Independente Tricolor
  5. Acadêmicos do Tatuapé
  6. Mancha Verde
  7. Rosas de Ouro

Segunda noite – 10 de fevereiro

Vai-Vai
Tom Maior
Mocidade Alegre
Gaviões da Fiel
Águia de Ouro
Império de Casa Verde
Acadêmicos do Tucuruvi

A Camisa Verde e Branco abriu o primeiro dia dos desfiles de São Paulo em seu retorno ao Grupo Especial após 12 anos. Vice-campeã do Grupo de Acesso em 2023, a escola cantou um enredo sobre Oxóssi, seu orixá padroeiro, uma promessa caso voltasse à divisão principal do Carnaval paulistano. 

Sem problemas no Anhembi, a Camisa exaltou diferentes imperadores da cultura negra ao longo da história — encerrando com a vida do ex-jogador de futebol Adriano (conhecido como Imperador na carreira), coroado na última alegoria.

També a Barroca Zona Sul levou para a avenida um enredo que celebra os 50 anos da escola.

A agremiação, que tem a Estação Primeira de Mangueira como madrinha, carregou as cores verde e rosa ao longo da avenida, e também homenageou Geraldo Sampaio Neto, o Borjão, presidente de honra da escola, que morreu há pouco mais de um mês.

A comissão de frente foi um dos destaques e veio em um palco giratório mostrando três cenários, fazendo referência a diferentes fases da escola, desde sua criação.

A Dragões da Real tentou seu primeiro título no Grupo Especial com uma homenagem aos reis e rainhas da África, depois de um 5º lugar em 2023. Para tentar a vitória inédita, a escola que nasceu de uma torcida organizada do São Paulo apostou em alegorias elaboradas e muita cor.

Logo de cara, a Dragões narrou uma lenda do continente com 33 integrantes que se revezavam na avenida, já que o regulamento permite só 15 pessoas por vez na comissão de frente. Já no abre-alas, dois rinocerontes “puxavam” o carro, que ainda contava com esculturas em movimento.

A Independente Tricolor foi a quarta escola a desfilar, entrou na avenida falando da força da mulher preta em um desfile que homenageou as guerreiras Agojie, que defenderam o Reino de Daomé e formaram o único exército feminino da história.

Representando os guerreiros de Daomé, a bateria com 220 ritmistas chamou a atenção fazendo a tradicional paradinha com maestria, além de colocar a força do tambor e os batuques do atabaque, tradicional instrumento de percussão africano.

Em 2023 ela foi a quarta colocada, a Acadêmicos do Tatuapé cantou seu enredo sobre a história, a culinária, a natureza e o carnaval da cidade baiana de Mata de São João. Com as primeiras alas dedicadas ao barro, os membros da comissão de frente representavam estátuas típicas saídas da mão de um artesão.

Como sempre não faltou o tradicional “apagão” da bateria, no qual os ritmistas silenciam seus instrumentos e os integrantes da agremiação cantam o samba-enredo. A Tatuapé ainda contou com a princesa de bateria Talita Guastelli, que desfilou de sapatilhas e atravessou a avenida na ponta dos pés.

A Mancha Verde, nascida da torcida organizada do Palmeiras, tentou ganhar o Grupo Especial pela terceira vez após ficar com o vice em 2023. Em 2024, a escola cantou sobre a agricultura e o homem do campo e pediu por uma divisão mais justa dos alimentos para acabar com a fome.

Baianas à frente do abre-alas combinavam com a alegoria com grandes fantasias amarelas de abelhas. No carro, estátuas gigantes do inseto e do orixá Ocô montado em uma delas. À frente da bateria, que realizou mais um apagão no dia, 

Última escola a entrar na avenida no primeiro dia de desfiles, a Rosas de Ouro fez uma homenagem aos 70 anos do Parque Ibirapuera. Beirando o rebaixamento em 2023, a escola tenta retomar seu posto de campeã falando, mais uma vez, de São Paulo, tema com o qual ela levou quatro de seus sete títulos.

A comissão de frente trouxe uma homenagem à família da cantora Rita Lee. Já as atividades esportivas dos frequentadores do parque foram representadas no carro “Saúde mais pura, corpo e mente sãos”, que chamou a atenção ao trazer 61 bicicletas empilhadas e sendo pedaladas por 61 ciclistas.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui