Atriz Elizângela é velada hoje no Rio em cerimônia aberta ao público

96

Amigos e fãs poderão se despedir da artista entre 13h e 15h

O velório da atriz Elizângela acontece neste sábado (4) no Cemitério da Penitência, no bairro do Caju, na zona portuária do Rio de Janeiro. O adeus à artista será aberto ao público. Amigos e fãs poderão se despedir dela entre 13h e 15h.

Elizângela morreu em Guapimirim (RJ) nesta sexta-feira (3), aos 68 anos de idade. Segundo informou a prefeitura da cidade onde ela vivia, a atriz foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e deu entrada no Hospital Municipal José Rabello de Mello com parada cardiorrespiratória. Apesar da tentativa de reanimação tanto no translado quanto na unidade, ela não resistiu.

“A Prefeitura Municipal de Guapimirim lamenta a morte da consagrada atriz. Esta é a segunda vez que o sistema de saúde do município atendeu Elizangela. Na primeira, Elizangela deu entrada na unidade com graves problemas respiratórios, e depois de algumas semanas, teve alta da unidade”, registra nota divulgada pelo município.

A outra internação da atriz havia ocorrido em 2022, em decorrência de sequelas respiratórias causadas pela covid-19. Elizângela manifestava publicamente sua posição contrária a vacinação, cujos benefícios são cientificamente comprovados.

A atriz iniciou sua carreira aos 7 anos de idade na TV Excelsior, e 3 anos depois passou a apresentar o programa de auditório Essa Gente Inocente, que abria espaço para crianças apresentarem seus talentos.

A atriz participou de novelas de grande audiência produzidas pela Rede Globo, que a contratou em meados da década de 1960. Atuou, por exemplo, em Pecado Capital (1975), Jogo da Vida (1981), Roque Santeiro (1985), Pedra sobre Pedra (1992), O Clone (2002) e mais recentemente Força do Querer (2017) e A Dona do Pedaço (2019).

Em 1978, ela gravou um disco intitulado Elizângela. Na época, a música Pertinho de Você, uma das faixas, passou a figurar entre as mais tocadas do Brasil. Elizângela teve ainda passagens pela TV Manchete e pela Rede Record. Atuou também em diversas peças teatrais e em alguns filmes. Sua estreia no cinema, o filme Quelé do Pajeú (1969), lhe rendeu o prêmio de Melhor Atriz Revelação no Festival de Cinema de Santos.

Nas redes sociais, fãs e amigos prestaram homenagens. “Amiga, inteligente, divertida, aquela atriz visceral, sonho de qualquer autor: vestia sem medo nem pudor a pele das personagens. Estou sem palavras”, escreveu Glória Perez.

O usuário da rede social X, Felipe Duarte, afirmou que Elizângela era uma das suas atrizes preferidas. “Não tem um personagem mediano dela. Todos foram marcantes. Enorme e irrecuperável perda da nossa teledramaturgia”.

Edição: Valéria Aguiar

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui