Dia Mundial da Água: desafio é a qualidade, avalia diretor da ANA

207

O diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Paulo Varella, afirmou ontem que o principal desafio do país é a qualidade e não a quantidade da água. De acordo com o diretor, a questão da quantidade tem sido mais enfrentada, mesmo no semiárido, com a construção de grandes canais e açudes. Já o combate à poluição de rios e mananciais tem sido uma tarefa mais complexa, devido ao avanço da ocupação urbana sobre áreas de vegetação natural, disse Paulo Varella. As declarações foram feitas por ocasião do Dia Mundial da Água, comemorado, ontem, pela Organização das Nações Unidas (ONU).

“No Sul e Sudeste, a questão da qualidade sempre apareceu como o grande problema e no Nordeste começa a preocupar. Os açudes começam a eutrofizar (quando plantas aquáticas crescem excessivamente, comprometendo o uso da água) um pouco mais, começam a ter problemas”, afirmou o diretor. Levantamento da agência realizado em mais de 2 mil pontos de monitoramento em 17 unidades da Federação revela resultado ótimo em apenas 9% dos pontos. Cerca de 70% têm Índice de Qualidade da Água (IQA) considerado bom; 14%, razoável; 5%, ruim; e 2%, péssimo.

PAC 2 – O deputado Fernando Marroni (PT-RS) disse que a universalização do saneamento ambiental deverá ser um dos principais focos do novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). “O saneamento básico impacta diretamente na saúde pública da população. Quase 80% de todas as doenças tratadas no Sistema Único de Saúde (SUS) são por contaminação hídrica, seja pela via oral ou cutânea. O PAC 2 vai focar o saneamento para avançarmos neste tema”, disse. De acordo com o petista, o Brasil, por possuir cerca de 2% de toda a água doce do planeta, deve encabeçar uma campanha em nível internacional de consciência ambiental. “Esse é o tema do planeta. Muitas guerras já começaram a ocorrer pela disputa pela água”, declarou.

Na avaliação do deputado Leonardo Monteiro (PT-MG) a maior ameaça à qualidade das águas no Brasil está exatamente na ausência de estações de tratamento de esgoto em vários municípios. “Muitas prefeituras não possuem estações de tratamento do esgoto e acabam lançando os dejetos nos rios, sem tratamento. No governo federal há recursos para financiar essas obras. Temos que aproveitar este momento para estimular a implantação de projetos na área de saneamento ambiental em todos os municípios do país”, declarou. De acordo com o parlamentar, a maior parte desses recursos são subsidiados o que, na prática, ameniza os impactos financeiros nas contas da prefeitura.

Fonte: Informativo da Liderança do PT::
Câmara dos Deputados – 2010

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui