Mutirão carcerário no Espírito Santo já resultou em quase 400 presos libertados

349
Mutirão aliviou um pouco as cadeias - Vitória (ES) - Cela com capacidade para 36 presos abriga 281 detentos, quase todos provisórios no Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vila Velha, na Grande Vitória Foto: Wilson Dias/Abr
Mutirão aliviou um pouco as cadeias - Vitória (ES) - Cela com capacidade para 36 presos abriga 281 detentos, quase todos provisórios no Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vila Velha, na Grande Vitória Foto: Wilson Dias/Abr

Brasília – O mutirão carcerário realizado no Espírito Santo desde o dia 28 de maio, com o apoio do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), termina hoje no município de Linhares e já resultou na libertação de 392 presos, sendo que 303 deles encontravam-se em situação de detenção provisória. O mutirão já passou também por Colatina, Nova Venécia e municípios da Grande Vitória. Na próxima semana terá continuidade em Cachoeiro de Itapemirim, para revisar a situação dos presos de outras 19 comarcas.

Desde o início do mutirão – que envolveu juízes e funcionários do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), além de defensores públicos e promotores, coordenados pelo juiz Erivaldo Ribeiro, auxiliar da presidência do CNJ – , 5.713 processos de presos condenados e provisórios foram analisados e 657 benefícios concedidos em cumprimento à Lei de Execuções Penais, como progressão de pena, direito a trabalho externo e visita periódica ao lar.

Numa particularidade em relação a outros estados, o mutirão do CNJ analisou também no Espírito Santo a situação de adolescentes em conflito com a lei, que cumprem medidas socioeducativas ou de internação. Foram verificados 780 processos nas Varas da Infância e Juventude, com a soltura de 203 internos.

O mutirão capixaba foi umas das medidas adotadas pelas autoridades para tentar sanear o sistema prisional, cuja situação precária, com graves violações aos direitos humanos, motivou um pedido de intervenção federal por parte do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP). O governo do estado firmou um termo de compromisso com o CNJ para gerar mais 5 mil vagas até 2010 e reformar unidades mais comprometidas.

Em todo o Brasil, desde agosto do ano passado, mais de três mil pessoas já foram libertadas como resultado dos mutirões promovidos pelo CNJ. Em agosto o projeto chegará a mais dois estados: Mato Grosso do Sul e Pernambuco. Já foram contemplados com a iniciativa Rio de Janeiro, Maranhão, Piauí, Pará, Amazonas, Alagoas, Tocantins, Bahia, Paraíba e Mato Grosso.
Fonte Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui