China viu seu comércio com os BRICS aumentar 28,7%

73

Mais países no Brics pode trazer recursos e comércio maior

(From L to R) President of China Xi Jinping, President of Brazil Luiz Inacio Lula da Silva, South African President Cyril Ramaphosa and Prime Minister of India Narendra Modi gesture during the 2023 BRICS Summit at the Sandton Convention Centre in Johannesburg on August 24, 2023. (Photo by Marco Longari / AFP)

Por Devair G. Oliveira
Entrada de seis nações, entre elas Emirados Árabes, Arábia Saudita e Egito, vai incrementar corrente comercial e gerar mais investimentos. Ampliação dos contatos diplomáticos pode ajudar a resolver desafios comuns.

A entrada de seis nações no Brics, o grupo de países em desenvolvimento inicialmente formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, poderá ampliar a corrente de comércio entre os participantes e atrair investimentos, inclusive para o Brasil. Mas desafios que afetam o incremento das relações comerciais, como a bitributação, precisam ser superados.

O comercio global está mudando, a dependência de alguns países da África, estão se desgarrando da dependência da Alemanha e França, caso do Níger, um empresário local exibe com orgulho as cores da bandeira da Rússia, acreditando que seu país estará melhor com novos aliados e a França teve que baixar a bola e paga um preço justo pelo urânio adquirido do Níger, antes o preço era irrisório.  

Em 2015, foi criado o New Development Bank (NBD), chamado de “banco do Brics” que, não necessariamente, financia apenas projetos dos integrantes do grupo. Em um novo movimento, na cúpula encerrada em 25 de agosto, seis novos integrantes foram aceitos para compor o grupo: os países árabes Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Egito e os que não são árabes Argentina, Etiópia e Irã.

Essa nova configuração pode trazer novos e mais negócios a todos os integrantes, inclusive o Brasil. Mas antigos desafios precisam ser superados (na imagem acima, os presidentes da China, Xi Jinping; do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva; da África do Sul, Cyril Ramaphosa; e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi).

Sócio fundador da BMJ Consultores Associados e ex-secretário de Comércio Exterior do Brasil (2007-2011), Welber Barral avalia que a ampliação do Brics pode trazer investimentos ao Brasil, incrementar a corrente de comércio e elevar os contatos entre os países ao nível diplomático.

“O Brasil hoje já recebe investimentos importantes tanto de fundos soberanos dos Emirados, como é o caso do Mubadala, e de alguns fundos sauditas. Evidentemente, seria necessário avançar na parte de acordo de bitributação, acordos de investimento, para dar mais garantia aos fundos, já que eles têm que se basear, por suas regras de compliance, em rating internacional (que classifica a capacidade de um país ou empresa honrar seus compromissos financeiros) para fazer os investimentos. Mas é um passo importante para permitir justamente esse contato no nível diplomático”, afirma Barral.

Secretário-geral e CEO da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Tamer Mansour, enxerga que há diferentes oportunidades que se desenham ao Brasil na relação com os parceiros árabes do grupo e afirma: “Haverá sim mudança na balança comercial entre esses países”, lembrando que, com a ampliação, o Brics se torna um grupo com 3,6 bilhões de habitantes e com um Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 29,1 bilhões.

“Arábia Saudita, por ser um grande exportador de petróleo, pode ser uma das maiores potências dentro do Brics. Os Emirados sempre foram vistos por nós como um hub para Barral: protagonismo para países do sul global reexportação de produtos. Agora será mais ainda, além de sua chegada contribuir também no banco do Brics”, diz Mansour, que também reconhece o papel dos Emirados como grande investidor.

Como exemplo da reexportação de produtos, ele cita a soja em grãos que é processada e transformada em óleo de soja dentro dos Emirados. Esse óleo é, então, vendido para outros mercados. Outro exemplo é o processamento de carne de frango in natura em carne processada. “Se trata de agregar valor ao produto”, diz.

“Em relação ao Egito, vai trazer uma cooperação muito maior. Representa segurança para Brasil, Rússia e China em olhar para a África porque o Egito é a entrada para a África. O país vive um momento complicado com a sua moeda. O Brics abre a chance de pagar suas compras com a moeda nacional (libra egípcia). É um caminho tanto para o Egito como para a Argentina” avalia. “A importância da entrada do Egito supera o olhar de um país para o outro apenas”, diz.
Com informações – Agência de Notícias Brasil-Árabe (ANBA)

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui