Irã quer aplicar parte das reservas internacionais no Brasil

350

iraO governo iraniano quer aplicar de parte de suas reservas internacionais no Brasil, dentro de um conjunto de medidas que prevê ainda a criação de um banco bilateral e o uso de moeda local nas transações comerciais.

Embora a proposta do governo iraniano seja de conhecimento da área diplomática do Brasil, ela ainda não chegou ao presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, segundo a assessoria de imprensa do BC. A iniciativa na área bancária e financeira fará parte dos assuntos que serão tratados durante a visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao Brasil, prevista para este mês.

 

O estabelecimento de mecanismo financeiro bilateral faz parte da estratégia de fortalecimento das operações comerciais entre os dois países. A expectativa do Irã é de que o Brasil possa oferecer uma linha de crédito para exportações de bens e serviços. O governo iraniano depositaria recursos em uma conta-garantia no Brasil, que serviria para mitigar o risco das operações e, desse modo, reduzir significativamente o custo do seguro de crédito.

A política externa do Irã, desde a ascensão de Ahmadinejad ao poder, passou a atribuir elevada prioridade ao diálogo Sul-Sul ao fazer arranjos de cooperação com países como Cuba, a Nicarágua e Venezuela. O Brasil deve receber o mesmo tratamento e espera-se, em cinco anos, elevar para US$ 15 bilhões as relações de comércio entre os dois países, atualmente em torno de US$ 1 bilhão.

Com o aprofundamento dessas relações, no âmbito do comércio e do sistema financeiro, as autoridades iranianas acreditam na atratividade do Brasil como destino de investimentos estatais e privados. Para elas, os capitalizados fundos de pensão do Irã, como o fundo de aposentadoria dos funcionários da National Iranian Oil Company (Nioc, a sigla em inglês), devem fazer aportes de recursos em diversos segmentos da economia brasileira.

A crise política envolvendo o programa nuclear iraniano tem fechado as portas do sistema financeiro internacional ao Irã. Uma parcela dos investimentos iranianos no mercado europeu teve que ser realocado para o Japão, a África do Sul e a Malásia. O Brasil pode ser beneficiado com parte desses investimentos.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui