Mesmo com prazo expirado, comissão continuava a contabilizar votos na Costa do Marfim

178

O prazo para anunciar o vencedor das eleições de domingo (28) na Costa do Marfim expirou no fim da noite de ontem (1º), de acordo com a Constituição marfinense. Entretanto, a Comissão Eleitoral continuava a contabilizar votos depois de ultrapassado o limite.

A expectativa é grande. Na terça-feria (30), durante uma tentativa de anúncio dos resultados parciais, um correligionário do atual presidente, Laurent Gbagbo, tomou o papel do responsável e rasgou o documento em frente às câmeras.

O comando da campanha do opositor, ex-primeiro ministro Alassane Ouatara, afirmou que o ato seria um sinal de que o atual presidente “sabe que perdeu”. O candidato pediu a Gbagbo que honre o compromisso, assumido na campanha, de reconhecer o resultado, seja ele qual fosse.

O porta-voz do presidente afirmou que o partido dele “vai lutar até o fim” para garantir que somente os resultados verdadeiros sejam divulgados.

O governo determinou a extensão até domingo (5) do toque de recolher que está em vigor desde o segundo turno das eleições, domingo passado, e expiraria na noite de hoje (2º).

A Costa do Marfim, maior produtor de cacau do mundo, deixou de atrair recursos e investimentos depois da tentativa de golpe de estado em 2002, que precedeu uma guerra civil de dois anos. A eleição, adiada cinco vezes desde 2005, é aguardada como uma chance de abrir novas possibilidades para o país.

Depois de um primeiro turno relativamente calmo, de acordo com observadores internacionais, as semanas que precederam a votação foram muito tensas, inclusive com confrontos entre correligionários dos dois candidatos. Mesmo com o toque de recolher, carros foram queimados nas ruas de Abidijan no domingo, depois do fechamento das urnas.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui