Aposentadoria é direito e não favor

170

Um dos problemas mais graves que o Brasil precisa solucionar diz respeito à qualidade da vida dos aposentados, que serão cada vez mais numerosos em proporção à população economicamente ativa, à medida que a longevidade média vai aumentado e os índices de natalidade, diminuindo. Trata-se de um gargalo persistente há décadas, que vem sendo postergado com medidas paliativas e sempre desfavoráveis aos trabalhadores.

Toda vez que se fala em reforma previdenciária, já se conhece previamente o desfecho: aumento das exigências do tempo de contribuição e/ou da idade mínima para aposentadoria, sob a desgastada alegação de que o déficit do INSS é uma das causas do desequilíbrio fiscal do Estado. Ora, num país no qual mais de 90% dos trabalhadores, segundo estudos de consultorias e dados oficiais, ganham menos do que três mil reais mensais, como imaginar que o sistema de aposentadorias seja bancado pela classe laboral?

É preciso uma política efetiva de Estado para atender o direito inalienável de aposentadorias dignas. A primeira medida nesse sentido seria rever drasticamente os incentivos fiscais. Em 2023, segundo publicou o site da Câmara dos Deputados, as renúncias de impostos em benesses concedidas pela União a parcelas da sociedade chegaram a R$ 456 bilhões, ou 4,29% do PIB. 

O valor é superior ao que o Governo Federal gasta anualmente com o pagamento do quadro de pessoal e 1,7 vez mais alto do que o saldo negativo do INSS acumulado de janeiro a outubro de 2023, que foi de R$ 267,5 bilhões. Ou seja, cortando cerca de apenas metade dos subsídios tributários, a União teria mantido a Previdência absolutamente saneada. E, se extinguisse o total dos estímulos, poderia ter estabelecido, em janeiro último, um reajuste aos aposentados e pensionistas do INSS, sem qualquer déficit, bem maior do que os 3,7% equivalentes à inflação do ano anterior. Este critério para atualização dos proventos, cabe lembrar, é determinado por uma lei que, de certa forma, pune o trabalhador e, portanto, precisa ser revista.

E aí, alega-se, levianamente, que são os beneficiários do INSS e os servidores públicos, inclusive os aposentados por regimes previdenciários próprios dos governos estaduais, municipais e federal, os responsáveis pelo déficit orçamentário do erário e o rombo da Previdência. Pergunta-se: quanto a chamada desoneração da folha de pagamentos, vigente desde 2011 e pela qual continuam brigando ferozmente 17 dos maiores setores de atividades do Brasil, já drenou de recursos do INSS?
É pertinente enfatizar que esse subsídio concedido a milhares de empresas significa substituir a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre os salários por alíquotas que variam de 1% a 4,5% da receita bruta. É uma grande operação contábil, que transfere dinheiro do financiamento das aposentadorias para o cofre dos empregadores. Este é apenas um de muitos exemplos de como é distorcida a visão referente à questão previdenciária no Brasil.

A tóxica verdade é que os aposentados brasileiros, sejam do INSS ou dos sistemas próprios para o funcionalismo público estatutário, são reféns de estruturas previdenciárias invariavelmente mal concebidas e geridas. Temos clara percepção do problema no quadro dos 244.317 associados (dados de 22/01/2024) da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo (AFPESP), uma amostragem significativa, pois a entidade é a maior do gênero na América Latina, congregando servidores da União, do governo estadual e das prefeituras que atuam no território paulista. Do total, 94.085 são aposentados, sendo 47%, ou 44.220, por meio do INSS e 53%, ou 49.865, por regimes próprios de São Paulo, prefeituras ou do Governo Federal.

Os primeiros dependem da famigerada lei do reajuste pela inflação do ano anterior; os segundos estão submetidos às decisões dos governos da União e das unidades federativas, que invariavelmente têm sido no sentido de congelar os valores dos salários e proventos por longos períodos. E todos, como ocorre com a imensa maioria dos aposentados brasileiros, estão com os vencimentos muito defasados. É preciso mudar esse modelo, pois aposentadoria não é favor a ninguém, mas sim um direito inalienável de quem batalhou muito na estrada da vida!

*Artur Marques da Silva Filho, presidente da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo (AFPESP).

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui