Dilma viaja hoje para a Alemanha onde discute crise internacional

153

A presidenta Dilma Rousseff viaja hoje (3) por volta das 23 horas para a Alemanha, onde fica até terça-feira (6). Ela participa da inauguração da Feira Internacional de Tecnologia de Informação, Telecomunicações, Software e Serviços (Cebit) e tem reuniões com a chanceler (o equivalente ao cargo de primeira-ministra) Angela Merkel. A presidenta estará acompanhada por ministros e uma delegação de empresários, em um total de 200 pessoas.

A conversa de Dilma com Merkel está marcada para segunda-feira (5) à noite, quando há um jantar e uma reunião privada. A chanceler é a principal líder das negociações na União Europeia (UE) em busca de soluções para evitar o agravamento da crise econômica internacional. Ambas examinarão o aprofundamento do acordo de parceria estratégica – definido em 2002.

Dilma e Merkel vão discutir, entre outros assuntos, educação, ciência, tecnologia e inovação, além de desenvolvimento sustentável, energia e infraestrutura, temas centrais na cooperação bilateral.

A presidenta deve ressaltar ainda as expectativas em torno da Conferência Rio+20, em junho, no Rio de Janeiro, a atuação do G20 (que reúne os países mais ricos do mundo) e a reforma das instituições políticas e econômicas de governança global.

Paralelamente a Alemanha vive um momento delicado na sua política interna. No dia 17, o então presidente da Alemanha Christian Wulff renunciou ao cargo, após ser denunciado pelo Ministério Público por corrupção. O nome de consenso para sucedê-lo é Joachin Gauck, pastor luterano candidato da coligação.

A presidenta também participa da Cebit, cujo tema neste ano é o Brasil. São mais de 4.200 expositores de 70 países. A estimativa é que cerca de 350 mil pessoas visitem a feira. A expectativa é que a Cebit abra oportunidades de negócios para empresas produtoras de tecnologias de informação e comunicação. O Brasil é o sexto maior mercado consumidor dessas tecnologias no mundo.

Para o Ministério das Relações Exteriores, a visita da presidenta à Alemanha contribui para intensificar o relacionamento econômico bilateral, ampliando as oportunidades de parcerias, especialmente entre pequenas e médias empresas.

A Alemanha é o quarto principal parceiro comercial do Brasil. O volume de comércio entre os dois países superou US$ 24 bilhões em 2011, o que corresponde a um aumento de 17,6% em relação ao ano anterior.

Os alemães estão entre os principais parceiros do programa Ciência sem Fronteiras. O programa põe em prática a busca pela convergência das vertentes econômica e científico-tecnológica das relações bilaterais. Até 2014, mais de 10 mil bolsistas brasileiros estudarão em instituições alemãs, segundo os cálculos do governo.

Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui