Globo a manipulação de ontem e de hoje

201

General Ramos adverte a jornalistas “vão ficar sem emprego, o negócio é sério”.

General RAMOS, general de Exército da ativa e Ministro-chefe da Secretaria de Governo do Presidente Jair Bolsonaro

O general RAMOS, general de Exército da ativa e ministro-chefe da Secretaria de Governo do presidente Jair Bolsonaro, que sucedeu outro general  – Santos Cruz – advertiu a jornalistas de que a situação do Brasil é complicada e de que o governo apoia as medidas de restrição, mas não de forma exagerada.

Ramos disse que poderá no futuro faltar emprego até para jornalistas de grandes redações.

o governo está bancando, mas é finito. Os jornalistas tiveram 25% de redução de salário, daqui a pouco vão ficar sem emprego… na hora que faltar comida pra gente que está noticiando talvez vocês entendam que é bom ver os dois lados. Porque enquanto o cara tá em casa e o salário dele pinga todo mês é que beleza… O ministro caiu, mas quem foi eleito com quase 60 milhões de votos foi o presidente da república… faz parte da democracia, aqui criticam, atacam e ele responde… tem um lençol branco e as pessoas ficam vendo só dois ponto negros.”, disse o general Ramos na coletiva dessa sexta-feira (15).

 A Globo sempre manipulou sua programação para beneficiar um ou outro candidato um dos casos que marcou foi na disputa entre Lula e Fernando Collor em 1989

Dois grandes lances que o antecederam marcaram aquele fatídico dia, após meses e meses de criminalização dos movimentos sindicais e do PT por parte dos órgãos de imprensa.

Em um deles, o empresário Abílio Diniz, dono de inúmeras empresas, entre elas o grupo Pão de Açúcar, era sequestrado em São Paulo. O cativeiro foi estourado e Diniz libertado, após 36 horas de negociações. Com os sequestradores foi encontrado material de campanha do PT e de Lula. As imagens do empresário libertado e do material encontrado foi massivamente divulgado pela Globo durante todo o dia das eleições.

Após o resultado, com a vitória de Collor, ficou comprovado que nem o PT e muito menos Lula tinham nada a ver com o episódio.

O outro caso – e talvez mais decisivo – foi o da edição do debate final entre os dois candidatos feita pela Globo. De acordo com o calendário eleitoral – e este episódio serviu para aprofundar ainda mais a legislação – o último debate acontece 48 horas antes do pleito e, após isto, não há mais nenhum programa eleitoral. Isto significa que o candidato prejudicado nada poderia fazer.

Tudo bem, não há problema. O trabalho que era proibido aos partidos pela legislação eleitoral foi realizado pela própria Globo. A edição do Jornal Nacional do sábado, véspera das eleições, mostrava um Lula claudicante, vacilando nas respostas, diante de um Collor triunfal, em seus melhores momentos.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui