Itamaraty diz que Conselho de Segurança da ONU vai fazer consulta sobre situação de Honduras

129

1901FRPFRP1979[1]
Brasília - O Subsecretário-Geral da América do Sul, Embaixador Enio Cordeiro, concede entrevista à imprensa para falar sobre a situação em Honduras
Brasília – O Subsecretário-Geral da América do Sul, Embaixador Enio Cordeiro, concede entrevista à imprensa para falar sobre a situação em Honduras

Brasília – O subsecretário-geral da América do Sul do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, embaixador Ênio Cordeiro, informou hoje (24) que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) irá decidir amanhã (25), durante reunião informal em Nova York, se irá discutir a adoção de um posicionamento em relação à instabilidade política em Honduras.

“Será uma reunião de consultas e não uma reunião aberta como desejamos, mas já é um primeiro passo”, afirmou Cordeiro lembrando que a reunião prévia de amanhã será realizada a pedido do governo brasileiro.

Cordeiro reiterou que a presença do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, na embaixada brasileira em Tegucigalpa, “não é um ato promovido, mas consentido pelo governo brasileiro”. Segundo o embaixador, Zelaya é um “hóspede” e permanecerá nesta condição o tempo que for necessário.

Também presente à coletiva convocada pelo Itamaraty, o chefe do Departamento de América Central e Caribe, Gonçalo Mello Mourão, disse que “o limite [para a permanência de Zelaya na embaixada brasileira em Honduras] é a pacificação do país e a restauração da ordem instituicional”.

Os embaixadores afirmaram ainda desconhecer qualquer informação a respeito de que o ato de Zelaya pudesse ser de conhecimento prévio de autoridades brasileiras. Zelaya retornou à capital hondurenha na última segunda-feira (21) e pediu abrigo na embaixada brasileira, que continua cercada pelas forças de segurança daquele país. Segundo o Itamaraty, há no momento aproximadamente 70 pessoas no prédio da embaixada.

O subsecretário do Itamaraty afirmou ainda que espera que a missão a ser enviada pela Organização dos Estados Americanos (OEA) a Honduras, no início da próxima semana, consiga avançar no diálogo com o governo golpista.

Fonte: Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui