Lula afirma que Obama ignora América Latina

170

lulaO presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas ontem ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que, segundo ele, não tem dado atenção à América Latina. Lula criticou a instalação de uma base militar americana na Colômbia e disse que ela tem que se restringir aos domínios daquele país, não atuando “na fronteira (da Colômbia) com outros países”.

“Ficamos surpresos com a transferência de Manta, no Equador, para a Colômbia. Nós não mexemos com a soberania da Colômbia, mas o que queremos é que, no tratado assinado com os EUA, fique explícito, para nos dar garantia do direito internacional, que a base tem como princípio fundamental a atuação dentro da Colômbia e não na fronteira de outros países”, disse o presidente.

Os comentários foram feitos durante café da manhã com os editores do jornal britânico “Financial Times”, que promoveu ontem, em parceria com o jornal “Valor Econômico”, o seminário “Investing in Brazil”.

Num dado momento do encontro, um editor do “FT” disse que os americanos estão preocupados com a Venezuela de Hugo Chávez e perguntou a Lula se teria algum conselho a dar a eles.

“Não sei se os americanos deveriam estar preocupados com o Chávez ou o Chávez com os americanos. Um discurso justifica o outro”, respondeu o presidente.

Lula disse que, em abril, a Cúpula das Américas, realizada em Trinidad Tobago e que teve a presença de Obama e Chávez, além da maioria dos líderes dos países latino-americanos, foi uma reunião “maravilhosa”, mas não rendeu frutos.

“Eu disse ao presidente Obama depois da reunião que estava dado o pontapé inicial para que ele restabelecesse uma relação mais produtiva com a América Latina e a América do Sul. O dado concreto é que não aconteceu nada depois disso, a não ser o golpe de Honduras”, comentou Lula.

O presidente afirmou que, nas décadas de 60 e 70, havia forte ingerência política do governo americano nos países da região. Ele mencionou que embaixadores americanos costumavam se intrometer em questões internas desses países. “A verdade é que, hoje, somos um continente que exerce a democracia de maneira muito forte”, assegurou ele.

Lula cobrou maior atenção do presidente Obama à América Latina. “As preocupações com o Iraque, o Afeganistão e o plano de saúde não estão permitindo que o Obama dedique uma atenção maior à AL. Eu penso que era importante que os EUA tivessem mais interesse na AL para que a gente pudesse consagrar definitivamente uma dinâmica de paz e envolvimento com o continente.”

Um outro editor do “Financial Times” ponderou que Chávez teria prometido não apenas dificultar o comércio com a Colômbia, mas eliminá-lo. Lula respondeu que “não é possível fazer política” a partir de manchetes dos jornais. “Um chefe de Estado não pode se pautar por isso”, observou, acrescentando que há grande complementariedade entre Colômbia e Venezuela.

O presidente reiterou a crença de que Chávez e o presidente colombiano, Alvaro Uribe, vão se entender. Disse que jantou recentemente com Chávez e almoçou com Uribe, “em dias diferentes” , e informou que vai colocar os dois juntos durante encontro, no dia 26 deste mês, em Manaus, dos países da região amazônica, com o objetivo de definir uma posição comum para a conferência da ONU sobre clima.

Durante o café da manhã, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, falou sobre a recuperação da economia brasileira da crise financeira mundial e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, sobre os compromissos do Brasil com a redução de emissão de gases-estufa. Participaram também do evento o ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, os presidentes do Banco Central, Henrique Meirelles, do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, e do BNDES, Luciano Coutinho, e o secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Antônio Patriota.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui