Lula vai defender reformas no sistema financeiro mundial em reuniões nos Estados Unidos

182

1634WD9177[1]Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarca, amanhã (21), para os Estados Unidos onde irá participar da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, e da reunião do G-20 Financeiro, na cidade de Pittsburgh.

Na ONU, Lula focará seu discurso na crise financeira e o combate às mudanças climáticas. Mesmo depois de um ano de crise, o presidente defenderá que os países continuem alerta ao desenrolar do comportamento das economias e que não é hora de suspender as medidas anticíclicas.

“O presidente julga que a maioria dos problemas de fundo não foi ainda enfrentada, e há significativas resistências em adotar mecanismos de regulação dos mercados financeiros. Nesse particular, apontará a importância de que os países ricos aceitem a realização de reformas nos organismos multilaterais, como o FMI [Fundo Monetário Internacional] e o Banco Mundial, e defenderá a retomada da Rodada Doha de negociações comerciais como parte da estratégia de retomada do crescimento”, afirmou o porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach, na última quinta-feira (17).

Em relação às mudanças climáticas, Lula voltará a cobrar dos países ricos empenho na adoção de medidas contra as alterações do clima, além de defender a transferência de tecnologia para as nações mais pobres na preservação do meio ambiente.

“O combate à mudança do clima exige esforço global de redução de emissões, que respeite as responsabilidades e condições distintas de países desenvolvidos e países em desenvolvimento”, afirmou Baumbach.

A partir de quinta-feira (24), o encontro dos chefes de Estado e governo do G-20 Financeiro, em Pittsburgh, será pautado por assuntos como regulação do mercado mundial, reforma dos organismos financeiros internacionais e o futuro modelo de crescimento.

Lula deve ressaltar a importância do G-20 para acalmar os mercados durante a crise financeira. O presidente reafirmará que o FMI e o Banco Mundial devem monitorar os países pobres, mas também as grandes potências econômicas, na linha de que é “essencial renovar o ímpeto de reforma do sistema financeiro e rejeitar a leniência com o capitalismo financeiro desregulado”.

Estão agendados também encontros de Lula com líderes de várias nações. O presidente fica nos Estados Unidos até o dia 25 deste mês. Depois, segue para a Venezuela.
Fonte: Agência Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui