Mantega e Meirelles vão representar o Brasil em reunião do FMI e do Bird na Turquia

153

MANTEGAMEIRELLESO ministro da Fazenda, Guido Mantega, embarca amanhã (29) para Istambul, na Turquia, onde será realizada a próxima reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (Bird), em meio às discussões sobre a maior participação dos países emergentes nas decisões dos dois organismos multilaterais. Antes de desembarcar na Turquia, ele faz escala em Roma. Além de Mantega, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, estará no encontro como representante do Brasil.

As reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial reúnem, segundo material de divulgação do encontro, presidentes de bancos centrais, ministros das áreas de finanças e desenvolvimento, executivos do setor privado e acadêmicos para “discutir questões de interesse global, incluindo a visão de mundo econômico, a erradicação da pobreza, o desenvolvimento econômico e a eficácia desse tipo de ajuda”. A reunião na Turquia, conhecida como Encontro de Outono, será a primeira nesse formato realizada pelo dois organismos multilaterais desde que o mundo começou a dar sinais concretos de que o pior da crise econômica mundial já passou.

Ainda sobre os efeitos da maior crise econômica da história recente, a reformulação dos dois organismos multilaterais tem sido defendida por vários países, incluindo o Brasil. Para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é preciso uma maior participação dos países emergentes nas decisões do FMI e do Bird.

“Os países pobres e em desenvolvimento têm de aumentar a participação na direção do FMI e do Banco Mundial. Sem isso, não haverá efetiva mudança e os riscos de novas e maiores crises serão inevitáveis”, disse durante a abertura da 64ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na semana passada. Lula disse ainda, durante a sessão, que mesmo passados 12 meses da deflagração da crise financeira internacional, a maioria dos problemas de fundo não foi enfrentada.

Após a Assembleia Geral da ONU, Lula participou da reunião do G20 Financeiro, também realizada nos Estados Unidos. No encontro, o bloco conhecido como Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), que reivindicava um aumento da representação no FMI de 7%, ficou com 5%.

O G20 Financeiro é composto pelos ministros da área econômica e presidentes de bancos centrais de 19 países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. O outro componente é a União Europeia, representada no grupo pela presidência rotativa do Conselho da União Europeia e pelo Banco Central europeu.

Diante do FMI, o Brasil atualmente é visto como um possível credor e não mais como devedor. Em abril deste ano, o fundo convidou o Brasil a fazer parte dos países credores da organização multilateral e o governo brasileiro aceitou a proposta. Segundo Mantega, durante reunião do G20, em Londres, naquele mês, ficou combinado que os países “mais fortes, os que têm recursos disponíveis” dariam aportes de forma que o fundo obtivesse mais US$ 500 bilhões para poder ajudar os países em dificuldade.

Dois meses depois do convite, o ministro anunciou que o Brasil disponibilizaria US$ 10 bilhões ao FMI. Se o fundo recorrer ao empréstimo, será a primeira vez que isso ocorrerá. A operação seria feita por meio da aquisição de bônus do FMI expressos em Direito Especial de Saque (DES), uma espécie de moeda do fundo.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui