Ministério da Saúde envia folhetos com informações sobre doenças infecciosas

164

O Ministério da Saúde começa a distribuir hoje (14), na região serrana do estado, 5 mil folhetos com informações e orientações práticas sobre a prevenção de doenças infecciosas que podem ser contraídas após as enchentes, como leptospirose e tétano. O material foi entregue à Secretaria de Saúde, que será responsável pelo repasse dos folhetos na região.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o material traz orientações diversificadas, incluindo reparação emocional e cuidados com animais peçonhentos, que, em situações como essa, também saem de seus locais habituais e chegam mais perto das pessoas.

“Nossas equipes estão lá não só para prestar socorro, mas também para mobilizar agentes comunitários de saúde para dar essa orientação”, disse Padilha, ao comparecer, na manhã de hoje (14), à sede do Hemorio para doar sangue às vítimas das chuvas no estado.

O ministro também informou que cerca de 300 profissionais de saúde da rede hospitalar federal no Rio, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, foram mobilizados e estão de prontidão para reforçar o atendimento às vítimas das chuvas nas seis unidades federais do Rio. Além disso, 50 voluntários, entre profissionais da rede treinados para atuar em situações de tragédia, foram deslocados para os municípios atingidos pelas enchentes.

Para reforçar a equipe que presta os serviços na região, o Ministério da Saúde está cadastrando voluntários por meio de um link nosite da pasta na internet (www.saude.gov.br).

De acordo com Padilha, a estrutura dos hospitais na capital também está sendo disponibilizada, incluindo as salas de cirurgias ortopédicas, onde podem ser realizadas até 25 operações por dia.

Ontem (13), o ministério enviou ao Rio de Janeiro mais de 7 toneladas de medicamentos e insumos para o auxílio às vítimas das chuvas. São 30 kits suficientes para atender 45 mil pessoas por um período de um mês. Eles são compostos por antibióticos, anti-inflamatórios, antiparasitários, analgésicos, antitérmicos, anti-hipertensivos, ataduras, esparadrapos, luvas, máscaras, cateteres e seringas.

Padilha informou que o Ministério da Saúde repassará R$ 8,7 milhões para custear a expansão da assistência hospitalar e os hospitais de campanha na região.

Agencia Brasil

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui