Dom Tomasi alerta sobre efeito da Gripe A nos países mais pobres

336
Dom Silvano
Dom Silvano M. Tomasi

Por Devair Guimarães de Oliveira
Caso como este da morte da menina em São Paulo deixa um pouco de dúvida e preocupação, Osasco é uma grande cidade da metrópole paulista com quase um milhão de habitantes, dotada de todos os recursos e só descobriram a doença depois da morte da menina, imagine se esta pandemia chegue às cidades pobres onde há deficiências de recursos médicos. Até agora a gripe pegou mais a classe média alta os que visitam outros países e o foco das autoridades em todo o mundo são os portos e aeroportos. Vamos torcer para que logo desenvolva uma vacina para que as pessoas fiquem imunes a este tipo de moléstia, a boa notícia é que a Suíça e Brasil estão bem adiantados com a vacina e dentro de uns três meses já estará disponível, principalmente o laboratório ‘Novartis’ da Suíça, porém o Instituto Butantã em SP prevê para 2010.

O representante da Santa Sé na Sessão de alto nível do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC), Dom Silvano M. Tomasi, ressaltou ontem sua séria preocupação com os efeitos da pandemia de Gripe A nos países mais pobres, já sobrecarregados pela atual crise econômica.

Dom Tomasi afirmou que os efeitos da crise têm sido mais graves entre as populações vulneráveis, também afetadas pela Gripe A H1N1. Para o representante da Santa Sé, o impacto da doença no futuro não é avaliável com precisão. “A relação entre pobreza e escassez de saúde é evidente; e há receio diante da perspectiva do aumento do número de pessoas na pobreza extrema, estimado hoje entre 53 a 65 milhões de pessoas”.

O arcebispo referiu ainda que cerca de 800 milhões de pessoas desnutridas vivem em áreas rurais, onde o sistema público de saúde é carente: “Concluímos que um número significativo de pessoas famintas e já extremamente pobres estão expostas a um risco maior de contrair doenças contagiosas e crônicas”, – disse Dom Tomasi.

“Esta situação pode ser agravada com eventuais cortes na ajuda internacional ou com o aumento de pessoas doentes em sistemas públicos de saúde já bastante frágeis. Os países em desenvolvimento – disse Dom Tomasi – não serão capazes de responder às necessidades de seus cidadãos mais vulneráveis”.

A Igreja Católica financia, em todo o mundo, 5378 hospitais e mais de 18 mil clínicas, além de 15 mil lares para idosos e pessoas portadoras de deficiências, especialmente na África.
Fonte: Rádio Vaticano

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui