Fundação de Amparo à Pesquisa trabalha em rede para prevenir a cegueira

901

Projeto oferece exame oftalmológico a distância, gerando economia de cerca de R$ 90 milhões anuais somente com transporte

A retinopatia é uma das complicações mais comuns do diabetes, podendo causar lesões microvasculares na retina e desencadear problemas como glaucoma, hemorragia, isquemia e até cegueira, se não identificada e tratada a tempo. Esta detecção depende do exame anual do fundo de olho, feito por oftalmologista. Para os moradores do interior do estado o acesso a avaliação especializada nem sempre é fácil e tempo de espera pode ser longo, acarretando em complicações para o paciente.

Para reverter o problema, pesquisadores do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), desenvolveram um método que avaliou a viabilidade econômica da aplicação de ferramentas de telessaúde na triagem da retinopatia diabética.

A telerretinografia funciona da seguinte forma: o paciente, que vive no interior, vai ao centro de referência e faz a retinografia com um técnico treinado para a captura de imagens da retina de diabéticos. A mesma é transmitida, via internet, a um especialista membro da Rede de Teleassistência de Minas Gerais, que faz o atendimento a distância e retorna os resultados à unidade de Saúde, acompanhado de um laudo, em até 48 horas.

Os resultados são promissores e, de acordo o coordenador do projeto, Daniel Vítor Vasconcelos, beneficiam tanto a sociedade quanto o poder público, uma vez que o exame evita o deslocamento do paciente do interior até a capital para realização do exame, gerando economia para o Estado.

“Além da conveniência de um exame mais próximo do domicílio do paciente – evitando longos deslocamentos e minimizando seu tempo de afastamento de casa e do trabalho -, há o efeito do diagnóstico e tratamento a tempo de evitar a perda irreversível da visão. A cegueira tem um custo enorme para a sociedade e para o sistema de Saúde. Se conseguíssemos implantar esse rastreamento em todos os Centros de Atenção Especializada e também atender a todos os pacientes diabéticos do estado (excluindo Belo Horizonte e região metropolitana, em que o deslocamento do paciente é menos oneroso), a economia anual estimada, somente com o transporte do paciente do interior para a capital, seria de cerca de R$ 90 milhões para os cofres públicos”, explica Vasconcelos.

“Atualmente possuímos dois Centros de Atenção Especializada (Ceae) em Minas Gerais que operam com este método: um está localizado em Teófilo Otoni (Mucuri) e outro na cidade de Viçosa (Zona da Mata). Até abril de 2019, emitimos 4.697 laudos nestes dois municípios”, conta Vasconcelos. Ainda, de acordo com pesquisador, a equipe está trabalhando para implantar a tecnologia em Santo Antônio do Monte, no Centro-Oeste mineiro. “Estamos negociando a expansão desse serviço para os outros Centros de Especialidade do Estado”, finaliza.

Trabalhar em rede

O Centro de Telessaúde do HC-UFMG foi oficialmente inaugurado em 2005, com apoio da Fapemig. No mesmo ano, foi criada a Rede de Teleassistência de Minas Gerais, registrada como uma das redes de pesquisa do Estado, que presta atendimento a mais de 700 municípios mineiros.

Desde sua criação, a Rede emitiu mais de 4 milhões de laudos remotos de exames e atendeu mais de 128 mil teleconsultorias, o que representa uma economia de mais de R$ 240 milhões, gerada pela redução de encaminhamentos. O primeiro exame de telediagnóstico implantado foi o eletrocardiograma, mas são também realizados laudos remotos de retinografia, Holter e Mapa (Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial), estes dois últimos também na área da Cardiologia.

Agência Minas

Fundação Cristiano Varella 728

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite um comentário
Por favor digite seu nome aqui